Aracaju, 3 de dezembro de 2021

Talysson de Valmir: “quem vive a pobreza menstrual tem pressa!”

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Datado de 22 de junho deste ano, o Projeto de Lei do deputado Talysson de Valmir (PL), que trata do combate à pobreza menstrual em Sergipe, segue aguardando tramitação na Assembleia Legislativa do Estado de Sergipe (Alese). Na avalição do deputado, diante da polêmica nacional em torno do assunto, caberia a Sergipe dar um bom exemplo e, com o parlamento fazendo a sua parte, resolver, de uma vez por todas, esse problema que atinge, de forma mais incisiva, as jovens de baixa renda de todo o País.

“Quem, infelizmente, vive a pobreza menstrual em seu cotidiano, tem pressa! Por isso que volto a dizer: vamos fazer a nossa parte, enquanto parlamento, garantindo a tramitação o mais rápido possível desse Projeto de Lei”, cobra o parlamentar. Para Talysson, iniciativas anteriores, como a da deputada Kitty Lima (Cidadania), servem como exemplo de que a tramitação se faz urgente. “Não podemos deixar esse nosso projeto, que seria mais um, acabar engavetado e pronto, como se o problema não existisse e não fosse de nossa conta”, afirma o deputado.

O parlamentar destaca que estudos comprovam que muitas adolescentes deixam de comparecer a escola no período menstrual justamente por não terem acesso a absorventes. “Estamos falando de jovens em famílias sem recursos financeiros, onde a prioridade é a alimentação.  São jovens que além do prejuízo educacional, também ficam expostas a riscos a saúde, pela situação inadequada de higiene nesse período”, diz. Pelo PL, a distribuição gratuita de absorventes higiênicos será por meio de cotas mensais a cada estudante do sexo feminino.

O programa combate diretamente a precariedade menstrual, identificada como a falta de acesso ou a falta de recursos que possibilitem a aquisição de produtos de higiene e outros recursos necessários ao período da menstruação feminina. “Outro benefício será a redução de faltas em dias letivos de educandas em período menstrual e, por decorrência, evitar prejuízos à aprendizagem e ao rendimento escolar”, observa.

Talysson diz que para a organização e manutenção deste Programa, o Poder Executivo Estadual poderá dispor de recursos ordinários e vinculados, programados em seu orçamento anual, além de recursos de outras fontes. Pelo PL, o governo fica autorizado a firmar convênios com os Municípios e União, bem como com organismos financiadores de políticas públicas, para assegurar a execução do programa.

Fonte e foto assessoria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Linda Brasil aprova em primeira discussão projeto que exige de intérprete de Libras
Dra. Paula Saab recebe Moção de Aplausos da Câmara Municipal de Aracaju
Alessandro Vieira trabalhou de forma intensa para melhorias na PEC dos Precatórios
TRE-SE cassa mandato do deputado federal Valdevan Noventa em votação unânime, mas cabe recurso junto aoTSE