Aracaju, 3 de dezembro de 2021

SES capacita profissionais sobre notificação da violência

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Nesta sexta-feira, 22, foi realizada uma capacitação no Centro Especializado em Reabilitação José Leonel Ferreira Aquino – CER IV, com o objetivo de orientar e sensibilizar os profissionais sobre a identificação e notificação da violência. A ação, que teve início na última terça-feira, dia 19, desta vez contou com a presença de 30 trabalhadores da unidade.

Por ser um Centro que promove cuidados em saúde para habilitação/reabilitação física, intelectual e TEA, auditiva e visual, a coordenadora do CER IV, Sayonara Carvalho, destaca a importância de se atentar e identificar os diversos casos de violência, tendo em vista que as pessoas assistidas pela unidade são um público em vulnerabilidade.

“O nosso objetivo com essa capacitação e sensibilização é que a gente faça a notificação e acompanhe o desdobramento dos casos, sem interferir no cuidado do usuário. Queremos que os trabalhadores se sensibilizem com a capacitação. Ao acontecer qualquer situação que seja identificado em nossos serviços, seja violência física, abuso ou negligência, notificamos esses casos para toda a rede de saúde ter acesso, com objetivo de interromper esse ciclo de violência o quanto antes. Mesmo não sendo um caso confirmado, se for somente uma suspeita, a exemplo de uma pessoa mal cuidada, negligenciada, ou até uma violência financeira (no caso do idoso), a nossa obrigação enquanto serviço de saúde, de acordo com o Ministério da Saúde, é fazer a notificação. Estamos sequenciando dentro do CER IV uma formação em Educação Permanente para os nossos trabalhadores, para que tenhamos um corpo clínico de profissionais de saúde sensíveis nas causas humanas, estratégicas e essenciais no cuidado integral da pessoa com deficiência”, salienta a coordenadora.

Em sensibilização com o caso da criança Lorrany, seis anos, encontrada morta com sinais de violência sexual na última quinta-feira, 22, durante a capacitação correu um ato simbólico. Foram entregues fitas brancas aos profissionais, com frases sobre o fim da violência. O ato foi realizado pela vice-presidente do Conselho Estadual da Criança e Adolescente, Elaine Passos.

“É importante falar que na declaração universal de direitos humanos do ano de 1948, já é preconizado o direito à saúde. O direito se expande para as pessoas que têm alguma deficiência e estão em maior vulnerabilidade. Enquanto servidora pública de Sergipe e militante da Causa de Direitos Humanos, me coloquei à disposição para tentar trazer uma perspectiva diferente de um atendimento mais humanizado para esses grupos vulneráveis, principalmente quando se tem criança. A ideia é não julgar e trazer uma perspectiva de construção, bem como apresentar algumas alternativas para que dentro de uma perspectiva humana se consiga detectar alguns sinais de violência e acionar algumas instituições. Inclusive, o Conselho da Criança está aberto a receber denúncias para fazer parte dessa rede. O ato simbólico com fitas representa um apelo. Entendemos que a violência não é gerada apenas do homem contra a mulher, mas no caso de Lorrany foi, então vendo que foi um homem e tendo em vista que os dados estatísticos comprovam que a maior parte das violências cometidos são de homens contra mulheres, nós queremos oferecer a todos que fazem parte da equipe do CER IV esse apanhado. O combate à violência das pessoas com deficiência, crianças e demais grupos que estão em maior estado de vulnerabilidade deve ser contínuo”, enfatizou Elaine Passos.

A referência técnica de Vigilância e Prevenção de Violência e Acidentes da Secretaria de Estado da Saúde (SES), Karla Anacleto, apresentou para os profissionais um panorama sobre as violências. “Estamos em um momento de socialização e aprendizagem. É essencial discutir sobre esse tema em vários espaços, principalmente em um serviço em potencial como esse, que o público-alvo são pessoas com deficiência em situação de vulnerabilidade e consequentemente podem estar dentro desse ambiente da violência. Discutimos sobre as notificações e a rede de cuidado. Na apresentação mostrei alguns números úteis para enfrentamento da violência, trouxe também informações sobre o fluxo da Maternidade Nossa Senhora de Lourdes, que é a nossa referência estadual para vítimas de violência sexual”, contou.

Foto: Flávia Pacheco

 

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Linda Brasil aprova em primeira discussão projeto que exige de intérprete de Libras
Dra. Paula Saab recebe Moção de Aplausos da Câmara Municipal de Aracaju
Alessandro Vieira trabalhou de forma intensa para melhorias na PEC dos Precatórios
TRE-SE cassa mandato do deputado federal Valdevan Noventa em votação unânime, mas cabe recurso junto aoTSE