Aracaju, 28 de novembro de 2021

Governo celebra dia da Sergipanidade no Teatro Tobias Barreto

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Evento foi marcado por uma série de atrações culturais e pela entrega de Medalhas do Bicentenário

O governo do Estado realizou, neste domingo (24), uma comemoração alusiva ao Dia da Sergipanidade, no Teatro Tobias Barreto, em Aracaju. O evento foi marcado por uma série de atrações culturais celebrando a vida, a identidade e a história do povo sergipano. Na ocasião, o governo de Sergipe efetivou, também, a entrega de Medalhas do Bicentenário do estado, destacando personalidades e órgãos públicos que fomentaram ações importantes durante o período crítico da pandemia. A vice-governadora Eliane Aquino participou da solenidade, representando o governador Belivaldo Chagas, ao lado da presidente da Fundação de Cultura e Arte Aperipê (Funcap), Conceição Vieira.

O Governo do Estado, ao tempo em que celebrou essa data tão importante do calendário de Sergipe, também prestou homenagem ao seu povo pela bravura e contínuo compromisso com que enfrentou e tem enfrentado os desafios impostos pela pandemia da Covid-19.

“Depois desse sofrimento imenso que passamos com a pandemia, cada vez que o teatro abre é uma alegria muito grande e, nesse instante, a alegria é maior. O governador Belivaldo Chagas solicitou ao seu time da Cultura que preparasse uma festividade, uma celebração no mês da Sergipanidade, para resgatar a autoestima, a identidade, a vontade de continuar crescendo e avançando com a gente sergipana”, destacou Conceição Vieira.

Para a vice-governadora, Eliane Aquino, a sergipanidade precisa estar presente na vida cotidiana do estado. “Sergipe não seria nada sem as pessoas que aqui vivem. Eu falo muito que nós vivemos numa terra linda, mas que o orgulho dela, a autoestima por sermos, por vivermos nessa terra – mesmo as pessoas que não são daqui, mas que escolheram viver em Sergipe-, precisa acontecer diariamente. A  nossa autoestima para fazer esse estado cada vez melhor depende de cada um de nós, depende do conhecimento e da vontade que cada um carrega de ser sergipano”, frisou a vice-governadora.

Cultura Popular

O evento começou com apresentações de grupos da cultura popular sergipana como o Batalhão do Rosário, a quadrilha Unidos Arrasta Pé, de Itaporanga e o Reisado Belas Estrelas, de Santo Amaro das Brotas. Formado há 31 anos por Rosalina dos Santos, o grupo de reisado é composto, em sua maioria, por seus filhos, netos e bisnetos. “Eu me sinto muito feliz, muito alegre, contente. Espero muita alegria para o dia de hoje e muita alegria brincando e representando a alegria do nosso grupo”, afirmou com orgulho e satisfação.

Na sequência, o artista visual francês, radicado em Aracaju desde 2014, Maxime Bally apresentou o seu mais recente trabalho, o painel “Cortiço Vertical” que será instalado na área externa do auditório do teatro. A obra tem como objetivo refletir a moradia nas grandes metrópoles, principalmente representada na figura dos prédios. “É uma honra poder presentear Aracaju com a primeira obra de realidade aumentada. Estar aqui é uma grande oportunidade de entrelaçar essas leis de apoio, de incentivos que estão sendo uma grande oportunidade para todos os artistas produzirem e poder fomentar, dialogar com o povo sergipano e continuar nessa trilha”, afirmou o artista contemplado pela Lei Aldir Blanc.

Atrações Musicais

Já no palco do Teatro Tobias Barreto, a cantora Amorosa trouxe para a plateia muito encanto e emoção com sua voz marcante através de um repertório exuberante ressaltando as belezas e encantos do estado. Logo em seguida, a Orquestra Sinfônica de Sergipe (Orsse), em um concerto, especialmente, direcionado para a Sergipanidade interpretou obras sergipanas do final do século XIX e início do século XX, compostas por Ceciliano Avelino da Cruz (1877-1963) e pelo Frei José de Santa Cecília (1809-1859), em arranjos sinfônicos inéditos produzidos por Guilherme Mannis e Fabiano Santana.

“O concerto de hoje não poderia ser mais representativo da produção musical aqui do nosso estado porque ele resgata dois dos nossos principais compositores de todos os tempos. O primeiro é o frei José de Santa Cecília, que compôs o hino de Sergipe, entre outras, e outro compositor pouco conhecido foi Ceciliano Avelino da Cruz, maestro da banda da Polícia Militar que,  juntamente com o seu pai Francisco Avelino, compuseram  muitas e muitas obras e são grandes personagens da música no nosso estado. Então, na noite de hoje, nós recuperamos três obras com a ajuda da musicóloga Thaís Rabelo”, afirmou o maestro Guilherme Mannis, que tendo nascido em São Paulo, está radicado em Sergipe há 15 anos e recebeu, recentemente, o título de cidadão sergipano.

Para o maestro, ações como essa, promovida pelo Governo do Estado, são essenciais. “Trabalhamos a nossa cultura, a nossa identidade e levamos ao conhecimento das pessoas. Muitas vezes isso é o que falta, que nós façamos com que todos conheçam tudo que de bom e que de maravilhoso é produzido aqui” complementa Mannis.

O evento também contou com a Banda de Música do Corpo de Bombeiros de Sergipe e a Banda de Música da Polícia Militar de Sergipe.

Medalhas do Bicentenário

A medalha do Mérito do Bicentenário da Emancipação Política se Sergipe foi instituída pelo decreto estadual N°40.698, de 16 de outubro de 2020, com o intuito de homenagear pessoas e instituições merecedoras do reconhecimento público por seus relevantes serviços prestados ao estado de Sergipe e ao seu povo, sendo outorgada pelo governador Belivaldo Chagas.

Receberam a medalha a vice-governadora Eliane Aquino, a presidente da Funcap, Conceição Vieira, o desembargador Edson Ulisses, representando o Tribunal de Justiça de Sergipe; o deputado Zezinho Sobral, representando a Assembléia Legislativa de Sergipe; José Léo Neto, representando a Defensoria Pública de Sergipe; José Aguiar, representando a Procuradoria Geral de Sergipe; Christiano Cavalcante, representando a Fames; o prefeito de São Cristóvão, Marcos Santana; o secretário de Estado da Educação, Esporte e Cultura, Josué Modesto; o reitor Valter Joviniano, da Universidade Federal de Sergipe; Jouberto Uchôa, reitor da Universidade Tiradentes; Rute Sales, reitora do Instituto Federal de Sergipe; o tenente-coronel Gladson Oliveira, representando a Polícia Militar de Sergipe; o coronel Alexandre Alves, representando o Corpo de Bombeiros de Sergipe; Aglaé Fontes, representando o Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe; o diretor Daniel Lemos, representando o Colégio Atheneu Sergipense; Francisco Demerson, presidente do Conselho Estadual de Cultura; Anderson Nascimento, representando a Academia Sergipana de Letras; e Carlos Nascimento, servidor público e idealizador da Medalha.

Fonte e foto assessoria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Arquiteta fala sobre mudanças nos lares durante a pandemia
Inscritos no Enem fazem neste domingo segundo dia de provas
Covid-19: Aracaju vacinou 17.398 mil pessoas nesta semana
Vice-governadora conhece serviços da Casa Mulher em Itabaianinha