Aracaju, 5 de dezembro de 2021

Paróquia de Estância completa 190 anos de criação nesta segunda

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

O clero e os paroquianos de Estância, da paróquia de Nossa Senhora de Guadalupe, vão festejar nessa segunda-feira, 25, os 190 anos da criação dessa paróquia.

No final da missa deste domingo, 25, pela manhã, que foi transmitida pela rádio comunitária Mar Azul FM, direto da Catedral Diocesana, o administrador diocesano, padre Humberto Silva, falou sobre essa data, e disse que nesta segunda-feira, haverá a celebração de uma missa pela passagem dessa data importante. A missa começará às 19h, na Catedral Diocesana.

Na missa da noite, o padre Messias reforçou o aviso, e disse ainda, que as comemorações maiores dessa data, serão durante o novenário da festa da excelsa padroeira, Nossa Senhora de Guadalupe, que começará em dezembro.

VEJA HISTÓRICO DA PARÓQUIA

Com a transferência da sede da Vila de Santa Luzia do Rio Real (hoje Santa Luzia do Itanhy) para Estância em 25 de outubro de 1831, foi criada a Freguesia de Nossa Senhora de Guadalupe que teve como seu primeiro Vigário, o Pe. Miguel Teixeira de Araújo Santos.

Neste período, toda a Região de Sergipe era assistida pela Diocese de São Salvador da Bahia que tinha sido criada em 25 de fevereiro de 1551 no governo de Tomé de Souza. Passaram-se os anos, muitos fatos aconteceram no Brasil, passando de Colônia a Império e depois República, a província de Sergipe ficou independente da Bahia, mas sua população continuou sendo assistida religiosamente pela Arquidiocese de São Salvador que tinha sido elevada a esta categoria em 16 de novembro de 1676. Somente em 03 de janeiro de 1910 pela Carta Apostólica do Papa Pio X, “Divina Disponente” que foi criada a Diocese de Aracaju que teve como primeiro Bispo, D. José Thomas Gomes da Silva que tomou posse da Diocese em 4 de dezembro de 1911. Com isso a paróquia de Estância deixou de pertencer a Arquidiocese de São Salvador fazendo parte da recém criada Diocese de Sergipe, pois, ela abrangia todo o Estado.

Depois de 50 anos, no dia 30 de abril de 1960, através da Bula “Ecclesiarum Omnium” do Papa João XXIII, foram criadas as Dioceses de Estância e Propriá com a Província Eclesiástica de Aracaju (Arquidiocese). Com essa decisão a Paróquia de Estância foi elevada à categoria de Diocese passando ser a sede diocesana. Convém destacar que uns dos itens que levou a autoridade eclesiástica a escolher Estância para ser a sede da Diocese foi a construção da BR 101 que iria facilitar a locomoção do Bispo para os centros maiores (Aracaju e Salvador). De acordo com as normas da Igreja, tendo em vista que as Dioceses de Estância e Propriá foram criadas na mesma data, a instalação em Estância deveria ter ocorrido em 09 de outubro do mesmo ano, que foi o que aconteceu com a de Propriá, 16 de outubro, uma questão de ordem alfabética. Mas qual a razão dessa inversão de instalação? Porque o religioso (bispo) escolhido para Estância renunciou a sua sagração episcopal faltando poucos dias para a posse e outro Bispo foi nomeado em janeiro do ano seguinte.

Até o momento três Bispos já passaram por Estância. Seguindo a cronologia dos governos ou pastoreios episcopais da Diocese, o primeiro Bispo de Estância foi Dom José Bezerra Coutinho que tomou posse em 14 de abril de 1961 (data da instalação) exercendo seu episcopado até 1986. O segundo Bispo foi Dom Hildebrando Mendes Costa que tomou posse em 14 de maio de 1986 e ficou até 2003. O terceiro Bispo foi Dom Marco Eugênio de Galrão Leite de Almeida que tomou posse em 22 de agosto de 2003 e ficou até 2013. O Bispo atual é Dom Giovanni Crippa, que tomou posse em 24 d e agosto de 2014, só que antes tinha ficado como administrador até ser nomeado pelo Papa. A Diocese conta com uma população aproximadamente de 600 mil habitantes e é formada por vinte e sete paróquias que estão instaladas em 16 municípios em uma área territorial de 6.736 km².

A criação da Diocese de Estância foi um marco histórico para Estância e para a região sul do Estado, tanto nos campos: religioso;  vieram mais sacerdotes, um despertar para as vocações sacerdotais, o povo aprofundou mais a fé, surgiram novos movimentos e pastorais, os jovens se organizaram em grupos, em maio de 1962, surgiu a URJE (União Redentora da Juventude Estanciana) que serviu de incentivo para os jovens de outras paróquias;  social; no início da década de 1960 em Estância só tinha um Sindicato do operariado do setor têxtil e uma Associação Comercial controlada pela elite local, com isso o homem do campo descobriu a necessidade de ter um órgão para defender a classe, em 05 de setembro de 1962 foi fundado o Sindicato Rural da Estância que serviu de incentivo para o homem do campo de toda região; econômico; em 19 de dezembro de 1968, foi criada a COOPAME (Cooperativa Agrícola Mista de Estância) que facilitou o escoamento da produção agrícola de vários municípios da Região Sul e incentivou a fundação de várias colônias agrícolas na região; educacional; no caso particular de Estância, só existiam dois cursos em nível médio, um para o magistério (só para o sexo feminino) e o de técnico em contabilidade (para ambos os sexos), nesse contexto é fundado o Instituto Diocesano com o curso científico que muito auxiliou os jovens que desejavam ingressar na Universidade.

A faculdade de criar dioceses é exclusiva do Papa, porém, para que esse ato aconteça existem trabalhos de pesquisas ou estudos para observar a necessidade real do surgimento de uma nova Igreja particular (diocese) para melhor atender espiritualmente uma região. Esse levantamento, deve comprovar razões pastorais e o crescimento demográfico a fim de que o pastoreio do povo de Deus seja mais eficaz com a presença de um Bispo. No caso particular de Estância, no final dos anos cinquenta aconteceram várias reuniões com a comunidade eclesial, inclusive com a presença do Bispo de Aracaju, Dom Vicente Távora. O Padre José Paes de Santiago, vigário da época, liderou o movimento pró criação da Diocese que envolveu vários setores da sociedade estanciana, inclusive f oram rea lizadas várias campanhas para aquisição de uma residência episcopal e aquisição de outros itens necessários para uma sede episcopal. Depois de muito trabalho e a comprovação da viabilidade pastoral, econômica e social, a comunidade estanciana foi premiada com a criação da Diocese de Estância.

Finalmente depois de sessenta anos, não devemos esquecer de parabenizar todos aqueles que contribuíram direto e indiretamente com a criação da Diocese de Estância.  (J. Cruz).

A Tribuna Cultural

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Alessandro protocola novo pedido para instalação de CPI sobre Orçamento Secreto
Valadares Filho reeleito presidente estadual do PSB e Rogério exalta aliança em construção com o PT para um projeto forte
Natal Iluminado: programação contempla música e oficinas neste sábado. São mais de 4,5 mi de pontos de luz enfeitando
ABIH-SE promoverá 2ª edição do road show Viva Aracaju