Aracaju, 29 de novembro de 2021

Sindicato dos Bancários denuncia as demissões e filas nas agências do Bradesco em Aracaju

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

A onda de demissões de funcionários e funcionárias e as filas quilométricas nas agências do Bradesco foram denunciadas pelos dirigentes do Sindicato dos Bancários de Sergipe (SEEEB/SE) e da Central dos Trabalhadores do Brasil (CTB/SE) em ato relâmpago na manhã desta quarta-feira (27/10). A manifestação aconteceu na agência do Bradesco do Hiper Bompreço, localizada na Avenida Gonçalo Prado na cidade de Aracaju. Em seguida ao ato, os sindicalistas se reuniram com empregados e empregadas da agência.

A imprensa local (rádio, televisão e sites) repercutiu a manifestação da categoria que reage a onda de demissões em massa no Bradesco.

Para demonstrar repúdio e buscar o apoio dos clientes e da população em geral, além do ato, o sindicato também contratou carro de som para informar sobre o lucro e ao mesmo tempo o número de desligamento de empregados (as) no banco. Nacionalmente, nas redes sociais, o movimento nacional dos bancários tem usado a hashtag #QueVergonhaBradesco.

Dos dados oficiais, mesmo na pandemia e com um  lucro de mais de R$ 12, 8 bilhões, no 1º semestre de 2021, o Bradesco fechou 8.547 postos de trabalho e 1.088 agências (em doze meses), causando transtornos aos clientes com filas gigantes. Em Sergipe, apenas em 2021, o banco botou para fora 14 funcionários (as).

“Não vamos dar tréguas aos empresários do sistema financeiro. Eles precisam contratar mais trabalhadores (as) para atender mais rápido e melhor a população nas agências bancárias. Reduzindo o número de empregados e empregadas, os clientes passam a ficar cada vez um maior tempo nas filas para ser atendidos. E sem novas contratações, funcionários (as) são obrigados (as) as trabalhar cada vez mais, com metas abusivas”, afirma a presidenta do SEEB/SE, Ivânia Pereira.

“Em vez de valorizar o trabalho, o Bradesco joga o funcionário para o Instituto Nacional de Seguro Social (INSS). E não justifica essa política de redução de quadro, isso porque em apenas seis meses, o Bradesco lucrou cerca de R$ 12 bilhões. Com esse lucro exorbitante, ao demitir, o banco ampliar o tempo dos clientes nas filas. Somos também solidários aos clientes e pedimos o apoio à população contra essa política do Bradesco, porque temos consciência da prática abusiva do banco com cobranças de juros e taxas dos serviços prestados. Nós do sindicato  protestamos não apenas para defender os direitos da nossa categoria, mas também do direito do cliente de ser atendido dignamente”, afirmou o diretor Jurídico do SEEB/SE e funcionário do Bradesco, Everton Castro.

Foto Seeb

Por  Ascom do SEEB/SE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

39 famílias retiradas de casas em áreas de risco após fortes chuvas em Canindé de São Francisco
Estudantes  universitários de Carira recebem ônibus adquirido com emenda de Alessandro Vieira
Hospital de Urgências de Sergipe abre processo seletivo de 16 vagas para Residência Médica
Gracinha participa de 24ª Conferência Nacional da Unale