Aracaju, 3 de dezembro de 2021

Muita coisa ainda vai rolar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Diógenes Braynerdiogenesbrayner@gmail.com

De hoje até quarta-feira é tempo de conversas e acomodações políticas. A preocupação, neste momento, é maior com a formação de chapas e a visão do eleitor ainda não se fixou em nomes para disputa do Governo, em razão de certa dúvida em relação a quem tem mesmo condições de administrar um Estado, a partir de 2022, que está sendo bem cuidado na atual administração, depois de enfrentar uma pandemia de intensidade mortal, mas que conseguiu manter a tranquilidade e assegurar um crescimento econômico e social que surpreende. A fome voltou ao Brasil, mas o trabalho realizado em Sergipe reduziu muito o número de famintos e até de desempregados.

Avaliando do alto, a movimentação política ainda ocorre de forma lenta, inclusive pela dificuldade imposta pela legislação eleitoral, que mexe profundamente com prováveis candidatos a mandatos parlamentar. A renovação das bancadas para Assembleia e Câmara Federal terá um percentual alto em todo o Brasil, e cada um que disputa vaga no parlamento tem a mesma sensação de que está tentando mandato majoritário. Em Sergipe o índice eleitoral de cada candidato em partidos de grandes portes é equivalente, o que provocará a derrota de alguns que certamente garantiriam suas vagas se a legislação permitisse as coligações. Assim, fica difícil avaliar o êxito dos que vão tentar trocar o mandato estadual pelo federal.

Quanto à disputa pelo Governo o clima esfriou. A decisão do governador Belivaldo Chagas em adiar o anúncio do candidato da base aliada retraiu possíveis adversários, que estão à espera do escolhido para avaliar condições. É possível que aconteça no próximo ano, mas, os que puseram seus nomes à disposição da base, estão apreensivos com o correr do tempo. Apenas um deles se animou: Ulices Andrade, que sempre defendeu o anúncio para fevereiro ou março. Com o adiamento, alguns surgem pensando na vice e até se lançando ao Senado, como aconteceu com Jackson Barreto (MDB), que tentará levar adiante o titulo de “o senador de Lula”, o que pode destoar da linha da aliança em relação à escolha do nome para presidente.

Até o momento há apenas um pré-candidato certo para governador: senador Rogério Carvalho (PT) que começa a tentar por em prática um projeto de esquerda, mas que pode não ter ao lado um partido como Psol. Lógico que faltam conversas. Entretanto fechou com o PSB e tentará engrossar o bloco com algum dissidente da base aliada, o que não aparenta obter êxito. Partidos como Cidadania e Podemos estão correndo por fora, mas podem se unir, enquanto Patriota e PTB ainda têm compromissos bolsonaristas. Já o Partido Liberal caminha para se aliar ao Governo, mesmo que alguns filiados pensem diferente. Entretanto, o grupo que se volta para a situação, pode levar o PSDB de troco. Tudo ainda muito incerto, mas provável porque há sinalização de que membros do partido já estão inseridos na base, mesmo que alguns demonstrem certa indiferença e outros já estão acomodados.

Lógico que falta um bater de martelo, mas com certeza não passará da reunião de cúpula que vai definir tudo dentro de mais poucos dias.

Belivaldo destaca filiação

Em Brasília, onde participou do ato de filiação do senador Rodrigo Pacheco ao PSD, Belivaldo Chagas destacou a importância para os estados e municípios, de ter alguém com o equilíbrio do senador neste momento à frente do Congresso.
*** Segundo Belivaldo, “não tenho dúvidas inclusive de que Rodrigo Pacheco reúne todas as características e qualidades para se tornar um candidato do PSD à Presidência da República em 2022”.

Sonha ser governador

O presidente da Alese, Luciano Bispo (MDB), escreve sobre seus projetos e sonhos, e diz que “gratidão é uma virtude para poucos. Aprendi cedo isso, é uma obrigação do homem de bem”.

*** Diz que sua história política, “é feita de experiências e de sonhos também! Tenho muitos, em especial tornar-me o governador desse Estado tão rico, e cheio de possibilidades para o crescimento”.

*** E mais: “não há um só canto de Sergipe, que não tenha caminho para o desenvolvimento, seja pela força do seu povo ou por suas potencialidades naturais”.

*** Deixa claro que é “um homem de grupo, a fidelidade e a gratidão fazem parte da minha vida desde cedo” através de ensinamentos dos seus pais.

Jackson fixa MDB

O ex-governador Jackson Barreto (MDB) retorna a Aracaju depois de encontro com a Direção Nacional em Brasília, onde tratou de sua pré-candidatura ao Senado Federal.

*** Jackson vai permanecer na legenda, terá todo apoio para o mandato que for disputar, inclusive de deputado federal dentro de uma definição do bloco.

*** Setores do velho MDB incentivam a candidatura de Jackson, desde que não haja qualquer problema dentro do bloco que ele integra.

Eliane a federal

A vice-governadora Eliane Aquino (PT) diz que está trabalhando “ao meu jeito” para disputar uma vaga na Câmara Federal, mas considera que ainda “está muito cedo e incerto para adotar posições eleitorais.”.

*** Eliane admite que muita coisa tenha que se levar adiante e ainda depende muito de decisões da Direção Nacional e do próprio ex-presidente Lula.

Marcio ao Senado

Sobre uma provável candidatura do ex-deputado Marcio Macedo (PT) ao Senado, Eliane Aquino diz que ainda não teve discussão interna sobre isso.

*** Admite, entretanto, que Marcio Macedo quer e considera que “ele é um bom nome do partido e que sua candidatura deve ser discutida internamente”.

Rogério e o Projeto

O senador Rogério Carvalho (PT) passa o feriadão em Sergipe e tem conversas agendadas para a montagem de um projeto de oposição, que até o momento tem certo ao lado o PSB.

*** Um dos entusiasmados com o projeto acha que o Cidadania, presidido em Sergipe por Alessandro Vieira, vota em Rogério no segundo turno.

*** Baseia-se em declaração do senador de que votaria em Lula e não em Bolsonaro numa disputa final entre os dois.

Emojis às gargalhadas

Perguntado dobre a possibilidade de votar em Rogério Carvalho em caso de segundo turno entre ele e um indicado pelo Governo em Sergipe, o senador Alessandro Vieira postou apenas um emojis às gargalhadas.

*** Alessandro disse que entendeu que “a pergunta era uma piada” e acrescentou: “trabalho para ganhar do PT em Brasília e em Sergipe”.

Psol monta chapa

O advogado Henri Clay (Psol) disse ontem que o seu partido está formando chapas de candidatos a deputados estadual e federal, com possibilidade de eleição.

*** O Psol trabalha com a hipótese de formar chapa majoritária ao Governo, com base social forte. A decisão sairá em abril do próximo ano.

*** Henri diz que o seu nome está à disposição do partido e que entrou para a sigla para fazer história.

João sem braço

O ex-deputado Mendonça Prado diz que os governadores estão dando uma de ‘João sem braço’ em relação aos preços dos combustíveis.

*** – São beneficiados com a onda de aumentos e não estão nem aí para os consumidores, avalia.

*** Segundo Mendonça, “o ICMS que incide sobre esses produtos é absurdamente alto. Deveriam zerar as alíquotas até o final da crise”.

PL vai reunir executiva

Membros do Partido Liberal (PL) querem uma reunião de toda a executiva estadual para buscar uma definição, embora a maioria veja tendência de ficar com o Governo.

*** Mesmo assim, também tem quem pense em apoiar a oposição.

*** Um dos membros importantes do partido diz que “certamente o PL participará da majoritária e a reunião deverá definir tudo isso”.

Jorge avalia retorno

O ex-deputado Jorge Alberto tem sido estimulado a retornar à política, mas diz que “eu mesmo preciso me avaliar” e faz uma análise do momento político.

*** Um detalhe: “não há nada definido”, diz Jorge Alberto, acrescentando que não gostaria de disputar mandato proporcional: “esse ciclo já passou”.

*** Jorge Alberto está avaliando e pensa integrar chapa majoritária como vice ou suplente de senador, mas sem ser por um partido que mantenha o modelo tradicional de fazer política.

Rodrigo sobre PTB

O secretário geral do PTB, deputado Rodrigo Valadares, fala sobre a situação do seu partido: “1 – Não existe qualquer rompimento com o presidente Bolsonaro; 2- Bolsonaro trás consigo nossas ideias e as bandeiras que defendemos”.

*** 3 – Nosso líder Roberto Jefferson, em um momento de dor, fez um desabafo. O que eu respeito”.

*** Diz mais: “qualquer coisa fora disso é artimanha da mídia e da oposição pra desgastar o nosso presidente Bolsonaro”.

Giro pelas redes sociais

Sensacionalista – ministro Paulo Guedes diz que não sabe o que está fazendo no governo e acerta pela primeira vez.

Metrópoles – O Facebook anunciou a mudança no nome da empresa dona de aplicativos como WhatsApp e Instagram. A companhia agora se chama Meta.

UOL Notícias – Bolsonaro nos faz reconhecer excelência de Temer e que Lula não foi tão ruim, diz vice-presidente do PSL.

João Dória – Estado de SP supera EUA, Alemanha e Reino Unido em porcentual de população vacinada.

Alexandre Padilha – Roberto Jefferson preso, Zé Trovão preso, Allan dos Santos preso. Quem vocês acham que falta?

Metrópoles – Ex-funcionária de farmácia admite ter gravado áudio preconceituoso. Na gravação, mulher orientava equipe a não contratar pessoas gordas, feias e “viados que desmunhequem”.

Igor Gadelha – Um dos juristas mais citados por bolsonaristas, Ives Gandra Martins, tem aconselhado deputados a votar contra a PEC dos Precatórios.

José Guimarães – Alexandre Moraes: “se houver repetição do que foi feito nas eleições de 2018, pessoas irão para a cadeia”.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Linda Brasil aprova em primeira discussão projeto que exige de intérprete de Libras
Dra. Paula Saab recebe Moção de Aplausos da Câmara Municipal de Aracaju
Alessandro Vieira trabalhou de forma intensa para melhorias na PEC dos Precatórios
TRE-SE cassa mandato do deputado federal Valdevan Noventa em votação unânime, mas cabe recurso junto aoTSE