Aracaju, 5 de dezembro de 2021

Com apoio da Prefeitura de Aracaju, Estrelas do Mar retoma projeto

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

“Estava com saudade. Senti que voltei ao meu lugar”. O depoimento é do pequeno Pedro Henrique, que possui Transtorno do Espectro Autista. Ao lado de sua irmã, Ana Júlia, com Transtorno de Déficit de Atenção, estavam acompanhados pelo pai, o psicopedagogo Bruno Araújo, na retomada do projeto Estrelas do Mar que ocorreu na manhã deste sábado, 30, na praia da região do Mosqueiro, zona sul de capital.

Após um ano e oito meses com as atividades suspensas devido aos protocolos de segurança contra a covid-19, a Prefeitura de Aracaju, por meio da Secretaria Municipal da Assistência Social, esteve presente em um momento muito esperado por apoiadores, voluntários, familiares e, especialmente, pelas pessoas com deficiência, participantes do projeto, onde fez a distribuição de kits com produtos para proteção e higiene pessoal, composto por protetor solar, máscaras e álcool em gel.

De acordo com a secretária-adjunta da Assistência Social de Aracaju, Selma França, a administração municipal entende a importância social do projeto e sua contribuição na promoção da inclusão ao aderir, no ano de 2018, o Praia para Todos, projeto do Governo Federal, desenvolvido pela Secretaria Municipal da Juventude e do Esporte (Sejesp), em parceria com a Organização Não Governamental (ONG).

“É um projeto muito bonito. Ficamos felizes em ver o brilho, o entusiasmo e a alegria que demonstraram a todo o momento. Para nós, é gratificante apoiar desde o início iniciativas que proporcionam bem-estar às pessoas mais vulneráveis, além de estimular o trabalho voluntário em prol do bem comum. Para mostrar nosso amor e cuidado, trouxemos cerca de 50 kits de cuidados pessoais que foram entregues aos pais, reforçando o nosso compromisso e zelo pelo projeto”, destacou.

Dentro do Praia para Todos, a Prefeitura de Aracaju realizou um investimento de R$ 67,7 mil, na qual adquiriu e doou para o Estrelas do Mar, 30 pranchas de body bord, 10 cadeiras de rodas anfíbias, 50 camisas com proteção ultravioleta e protetor solar. Também é disponibilizado um micro-ônibus adaptado e motorista, que pertence à Secretaria Municipal da Assistência Social, para auxiliar no deslocamento dos assistidos.

O projeto filantrópico visa trabalhar a inclusão de pessoas com e sem deficiência por meio da prática do bodyboarding, esporte praticado na superfície das ondas do mar em que o surfista usa sua prancha para deslizar pela crista, face ou curva de uma onda em direção à areia.

Segundo o idealizador do projeto, o vereador Sargento Byron, atualmente, cerca de 169 famílias são cadastradas no projeto. Para ele, o evento, como ele mesmo define, era muito aguardado.

“Não consigo traduzir o sentimento de alegria que estou sentindo de poder voltar com mais segurança. Todas as pessoas foram testadas para garantir que as atividades fossem executadas com o mínimo de risco possível. Esperávamos muito pelos sorrisos e abraços. São famílias diretamente beneficiadas com o apoio de parceiros como a Assistência Social e o Esporte do Município, que facilitam o acolhimento dessas pessoas”, contou.

A dona de casa Ivanete dos Santos é mãe de Crislaine dos Santos, que possui deficiência intelectual. Mãe e filha são assistidas pelo projeto há cinco anos. Ela descreve como difícil o período em que passou dentro de casa devido à pandemia. Logo que sua filha soube da notícia que o projeto seria retomado, ficou ansiosa.

“Foi muito complicado. Ela reclamava o tempo todo. Me perguntava quando a pandemia iria acabar. Aqui ela se sente muito feliz, conseguiu melhorar seus movimentos corporais e a comunicação com outras pessoas. Quando disse que voltaríamos, todo dia me fazia o mesmo questionamento: mãe, é hoje?. Tudo que está acontecendo é muito importante para nós”, relatou.

Para o psicopedagogo Bruno Araújo, pai de Pedro Henrique, a expectativa começou há uma semana quando a mãe da criança contou ao filho a novidade sobre a retomada do projeto no qual participam há quatro anos.

“Eles são apaixonados pelo projeto. Mesmo diante de todo o transtorno que a pandemia nos causou, o cognitivo do Pedro foi preservado, graças a Deus. Eles vinham há muito tempo querendo voltar e ficávamos na expectativa. Há uma semana, foi uma loucura. A mãe contou que voltaríamos e eles mal estavam dormindo, loucos para voltar. Está sendo gratificante”, ressaltou.

Fonte e foto assessoria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Assédio é principal violência a meninas em ambiente virtual
Entenda as novas regras da Tarifa Social de Energia Elétrica
Simão Dias receberá Centro de Especialidades Médicas e Base do Samu  
Espetáculo circense é uma das atrações do Natal Iluminado