Aracaju, 29 de novembro de 2021

Controle dados pessoais e os algoritmos das redes: Como não ceder?

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Professora da Universidade Tiradentes explica como o algoritmo de inteligência artificial está presente nas nossas vidas e como a Lei de Proteção de Dados pode interferir

Histórias sobre Inteligências Artificiais sempre se fizeram presentes no imaginário popular por meio de filmes, livros e séries. Porém a ficção científica está cada vez mais fazendo parte da vida real, por meio dos algoritmos que decidem e pensam no lugar dos humanos, trazendo avanços e riscos imensos para sociedade. A professora do curso de Jornalismo da Universidade Tiradentes, Talita Déda, explica como o algoritmo de inteligência artificial pode afetar as nossas vidas e como ele está se espalhando em determinadas situações.

Ao falar sobre o tema, a professora lembra do escritor Eli Parisier, escritor do livro “O filtro invisível: O que a internet está escondendo de você”. “Isso não é algo recente, porém, vem se espalhando com uma velocidade assustadora. Existem diversas ferramentas que estão ali para filtrar e monitorar e que, de fato, vão ajudar na perspectiva de segmentação para que as pessoas sejam condicionadas a determinados serviços. É estabelecida uma construção mais direcionada na oferta de produtos através de uma personalização de conteúdo”, reitera.

É a partir da navegação de cada usuário na web, gigantes como Google, Facebook, Apple e Microsoft criam filtros formados por algoritmos que personalizam o resultado das buscas na internet. Talita destaca que a pandemia também ressignificou algumas questões no que se refere ao consumo online e sob demanda. “Hoje você tem consumidores muito mais exigentes e muito mais despertos, já que as plataformas são muito diversas e possuem endereçamentos para vários nichos de comunicação”, reflete a professora.

Sobre a privacidade dos dados, Talita compreende que a maior discussão é a necessidade de fornecer informações que deveriam ser confidenciais para situações corriqueiras na internet e em grandes empresas. “É uma faca de dois gumes. Existem pessoas que não percebem e não se perguntam para onde os seus dados estão indo, o que pode acarretar na perda e no vazamento dessas informações. É necessário ter acesso a informações de maneira mais transparente, para que as pessoas saibam de qual forma seus dados são distribuídos, tendo mais consciência da Lei Geral de Proteção de Dados e do Direito Digital”.

Sobre a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD), em vigor desde 18 de setembro de 2020, é estabelecido diretrizes importantes e obrigatórias para o processamento e armazenamento de dados pessoais. Diante dos atuais casos de uso indevido, comercialização e vazamento de dados, as novas regras garantem a privacidade dos brasileiros, além de evitar entraves comerciais com outros países. CPF, dados biométricos, histórico médico, entre outros, são considerados dados privados e entram na regulamentação da LGPD.

Assessoria de Imprensa

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Dermatologista orienta sobre cuidados com a pele durante o Verão
39 famílias retiradas de casas em áreas de risco após fortes chuvas em Canindé de São Francisco
Estudantes  universitários de Carira recebem ônibus adquirido com emenda de Alessandro Vieira
Hospital de Urgências de Sergipe abre processo seletivo de 16 vagas para Residência Médica