Aracaju, 5 de dezembro de 2021

Radialista é como bananeira, só dá um cacho

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Por Adiberto de Souza *

É famosa a afirmação comparando o comunicador que ingressa na política à bananeira, que só dá um cacho. De fato, a grande maioria dos radialistas e jornalistas que se elegeu para o parlamento teve um ou dois mandatos. Os que se reelegeram duas, três vezes, abandaram o rádio, se transformando em políticos profissionais.  E por que isso acontece? Segundo estudo assinado pelos professores Larissa Martini Angeli e Maria Paraguaçu Cardos, da Universidade Federal do Paraná, os radialistas não se reelegem por descumprirem as promessas e se afastarem do grupo social que os elegeu. Ademais, como estreantes na vida parlamentar, eles têm dificuldade para solucionar os problemas dos eleitores, carecem de preparo político, além de privilegiarem os próprios interesses. Portanto, o fracasso político está no fato de os radialistas se elegerem prometendo resolver todo e qualquer problema da população e jurando que são diferentes dos deputados e vereadores. De posse do mandato, porém, eles não honram a palavra empenhada e agem como os que eles antes tanto condenavam. O povo, que não é bobo, lhes nega a reeleição, assim como a natureza não permite à bananeira produzir mais de um cacho. Marminino!

Quer ser deputado

Após revelar o desejo de disputar uma eleição majoritária, o ex-senador Antônio Carlos Valadares (PSB) anunciou que deve se candidatar a deputado estadual. Quer reviver o começo da década de 1970, quando se elegeu duas vezes a Assembleia. Vavá iniciou na vida pública em 1966, se elegendo prefeito de Simão Dias aos 23 anos de idade. Hoje, o maior sonho do ex-senador é eleger o filho Valadares Filho (PSB) para a Câmara federal. Então, tá!

De pires nas mãos

Com o título acima, a amiga Thaís Bezerra publicou no Jornal da Cidade a seguinte nota: “Os prefeitos sergipanos têm ido, cada vez, à Brasília tentar recursos federais para investir em seus municípios. Todos começam a maratona pelos gabinetes dos deputados e senadores, que se prestam a acompanha-los aos ministérios, onde apadrinham as demandas dos aliados. O esforço da bancada federal não é em vão. Agradecidos pela “mãozinha”, os prefeitos prometem apoiar as reeleições dos benfeitores. Como diz o ditado popular: uma mão lava a outra e as duas lavam o rosto”. Crendeuspai!

Petista na Prefeitura

Quem esteve visitando a prefeita interina Katarina Feitoza (PSD) foi o deputado estadual Francisco Gualberto (PT). Ele foi demonstrar a alegria pelo fato de uma mulher ter assumido o comando administrativo de Aracaju. Com certeza, a visita de Gualberto desagradou 10 a cada 10 petistas, ainda engasgados com a derrota na disputa pela Prefeitura da capital justamente pela chapa composta por Edvaldo Nogueira (PDT) e Katarina Feitoza. É por esta e por outras que o deputado Chiquinho está de malas prontas para deixar o PT. Aff Maria!

Quem te viu, quem te vê

Outrora uma das principais legendas de Sergipe, o MDB está virando um partido nanico. Até a sua principal liderança no estado, Jackson Barreto, está ameaçando trocar o MDB por outra sigla mais atrativa. Segundo as más línguas, o partido começou a definhar desde que seu comando foi entregue ao deputado federal Fábio Reis. Até a Fundação Ulisses Guimarães, responsável por administrar cursos de educação visando a formação de emedebistas, está às moscas. Misericórdia!

Conversa mole

Não passa de conversa mole essa história de se criar o cargo de senador vitalício para premiar o presidente Jair Bolsonaro, tal qual fizeram os chilenos com o ditador Augusto Pinochet. Quem pensa assim é o senador Alessandro Vieira (Cidadania). Segundo ele, esse factoide é, na verdade, uma cortina de fumaça para esconder os 600 mil mortos vítimas da covid-19, a inflação de dois dígitos, o fim do Bolsa Família, o Orçamento Secreto, o fim do teto de gastos, a denúncia de vício em dinheiro público, as rachadinhas, etcétera e tal. Só Jesus na causa!

Orai por eles!

Com o abrandamento da pandemia, os políticos voltaram a prestigiar as festas religiosas, sempre com um olho no santo e o outro no eleitorado. Foi o que aconteceu, ontem, nas comemorações do padroeiro de Ribeirópolis, Sagrado Coração de Jesus. Além dos políticos filhos da terra, como o prefeito Rogério Sobral (PL) e o ex-prefeito Antônio Passos (DEM), estiveram na festa religiosa os deputados estaduais Georgeo Passos (Cidadania) e Talysson de Valmir (PL), a presidente do Podemos, Danielle Garcia, o ex-prefeito de Itabaiana, Valmir de Francisquinho e vários prefeitos da região. As celebrações estiveram a cargo do arcebispo dom João José Costa. Ah, bom!

Grana fácil

Sugestão para os pré-candidatos que não sabem como conseguir dinheiro para gastar na campanha eleitoral de 2022: peguem R$ 4,50 e façam uma fezinha na Mega-Sena. A loteria está acumulada, devendo pagar, quarta-feira próxima, R$ 65 milhões a quem acertar sozinho as seis dezenas sorteadas. De uma coisa pode ficar certo: para alguns pré-candidatos a deputado estadual, federal, senador e governador é mais fácil ganhar a bolada da Mega-Sena do que conseguir os votos suficientes para se eleger. Arre égua!

Festa de posse

Será na próxima quinta-feira a posse de Luís Alberto Meneses como conselheiro do Tribunal de Contas de Sergipe. Ele substituirá Carlos Alberto Sobral, aposentado ao completar 75 anos de idade. A solenidade está marcada para às 10h30, no plenário do TCE. Como costumam dizer os colunistas sociais, a sociedade sergipana de A a Z deve prestigiar o evento, principalmente os prefeitos, que tanto dependem de pareceres do TCE sobre suas contas. Home vôte!

Noite de autógrafos

“Justiça Restaurativa e Perdão” é o título do livro a ser lançado, quinta-feira próxima, pela mestra em Direito Luciana Leonardo. Será à partir das 18h, na Livraria Escariz da avenida da Jorge Amado, em Aracaju. A obra, fruto da dissertação de mestrado em Direito pela Universidade Federal de Sergipe, é um convite para se pensar a justiça criminal, através da reflexão sobre conceitos filosóficos – em especial, a justiça restaurativa, fundamentada na ação humana e encarada como autêntico mecanismo evolutivo do sistema criminal, e que poderia proporcionar o florescimento do perdão genuíno entre vítima e ofensor. Prestigie!

Recorte de jornal

 

 

 

 

 

Publicado no jornal Correio de Aracaju, em 30 de agosto de 1926.

É editor do Portal Destaquenotícias

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Assédio é principal violência a meninas em ambiente virtual
Entenda as novas regras da Tarifa Social de Energia Elétrica
Simão Dias receberá Centro de Especialidades Médicas e Base do Samu  
Espetáculo circense é uma das atrações do Natal Iluminado