Aracaju, 29 de novembro de 2021

Sargento Byron sai em defesa da Polícia Militar de Sergipe

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Após discussão sobre a atuação policial durante sarau, no bairro Industrial, o vereador de Aracaju, Sargento Byron (Republicanos), contestou falas de vereadores e vereadoras de Aracaju que, em seus respectivos pronunciamentos, descredibilizaram a atuação da instituição da Polícia Militar de Sergipe. O vereador defendeu que a Corregedoria faça a investigação de toda a situação.

“É muito difícil ser policial. É muito fácil julgar, avaliar uma situação aqui, sentados em uma cadeira, com toda segurança possível. Vista uma farda e saia nas ruas numa operação, lidando com pessoas desconhecidas, pessoas que não sabemos da índole, do caráter. Um juiz, meus amigos, tem tempo de sobra pra fazer a avaliação necessária de qualquer caso. Nós, policiais, não temos. É tudo naquele momento, às vezes, se não agirmos, pagamos com as nossas próprias vidas. Ou seja, sejam mais empáticos. Não estou aqui defendendo a atuações truculentas ou equivocadas não. Eu sou a favor de investigações por meio da Corregedoria, que é o órgão responsável por isso. Nós podemos discutir, mas não julgar ou descredibilizar a atuação da Polícia Militar de Sergipe que tanto faz pela sociedade”, disse o vereador Byron.

Sargento Byron reforçou a necessidade da valorização da classe e da garantia de segurança dos profissionais. “Eu ainda sou policial militar. Estou na reserva. Só sabe como é desafiador, tenso, inseguro, quem realmente está naquela farda. Pessoas que saem de suas casas e não sabem se voltam com vida. Homens e mulheres que são desvalorizados. E que são heróis, mas que, também, no primeiro erro, tornam-se criminosos e são desrespeitados. Infelizmente, muitos só reconhecem o trabalho da polícia quando precisam. Precisamos cobrar mais apoio à classe, mais qualificação, mais proteção”, ressaltou.

Na oportunidade, o vereador pontuou o quanto as atividades culturais são importantes para a população. “Não estou aqui para desqualificar nenhum tipo de movimento artístico cultural não. De forma alguma. Eu sou apoiador da cultura, a cultura precisa ser enxergada e o investimento deve acontecer. Infelizmente, ocorreu essa situação envolvendo a PM. Peço que o caso seja avaliado”, solicitou.

Foto Gilton Rosas

por Pábulo Henrique

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

39 famílias retiradas de casas em áreas de risco após fortes chuvas em Canindé de São Francisco
Estudantes  universitários de Carira recebem ônibus adquirido com emenda de Alessandro Vieira
Hospital de Urgências de Sergipe abre processo seletivo de 16 vagas para Residência Médica
Gracinha participa de 24ª Conferência Nacional da Unale