Aracaju, 28 de novembro de 2021

Seduc realiza reunião técnica com secretários municipais de Educação

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

A Secretaria de Estado da Educação, do Esporte e da Cultura (Seduc) realizou nesta sexta-feira, 5, por meio do Google Meet, a VI reunião técnica com a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime). O foco do encontro aconteceu a partir dos trabalhos que envolvem o Sistema de Avaliação da Educação Básica de Sergipe (Saese) e o Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb), pesquisa da Assessoria de Colaboração e Assistência aos Municípios (Ascam) e da proposta do Programa Sergipe Pela Infância para formação nos municípios.

O encontro aconteceu com a participação dos secretários municipais de Educação dos 75 municípios. O secretário da Seduc, professor Josué Modesto dos Passos Subrinho, deixou uma mensagem importante, destacando o diagnóstico e avaliação das escolas, bem como evocando a coletividade em prol da aplicação qualificada dos serviços de educação em todo o território sergipano, sobretudo neste momento de mobilização para o Saeb.

“Finalizamos a avaliação sergipana e agora entramos na fase de preparação e mobilização para o Saeb, uma importante ferramenta para o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica. Estamos convidando a participar e que seja um momento de verificarmos a importância do retorno das aulas presenciais”, disse.

De acordo com Andrea Lima Dantas, diretora da Ascam, a pesquisa buscou contemplar quatro seções prioritárias: calendário letivo de 2021; panorama do ensino híbrido nos municípios e quais metodologias foram utilizadas diante da pandemia e do retorno gradativo das aulas semipresenciais ou ainda remotas; e processo seletivo para bolsistas do programa Alfabetizar pra valer. “Identificamos que 19 municípios continuam exclusivamente na modalidade remota, embora 80% já apresentem data estabelecida para retorno às aulas presenciais ainda em 2021, exceto Simão Dias e Boquim, que afirmaram que só poderão retornar a partir de 2022”, relatou.

Segundo Andrea Lima Dantas, após um comparativo referente ao mês de agosto, o percentual de retorno presencial já apresenta maior adesão. Além disso, parte significativa dos municípios informou que a previsão de retorno consiste entre os meses de outubro e novembro, ou seja, em uma nova pesquisa será verificado se, de fato, a modalidade presencial ou semipresencial foi efetivada.

“Outro ponto perceptível no tocante às respostas é que, ao menos, 58 municípios necessitarão realizar Processo Seletivo para bolsistas do programa Alfabetizar pra Valer, bem como podemos identificar ainda qual o status destes em relação à realização do mencionado processo seletivo. Por fim, apresentamos um diagnóstico importante para compreendermos as reais situações dos municípios dentro do âmbito dessas sessões comentadas anteriormente e os auxiliarmos nestas demandas”, concluiu a diretora da Ascam, Andrea Lima Dantas.

Sergipe pela Infância

A coordenadora do Programa Sergipe pela Infância, Rosane Cunha, apresentou a proposta para a Formação da Primeira Infância nos Municípios, na perspectiva de que o momento possa contemplar todos os atores do cenário educacional. O Programa Sergipe pela Infância tem como meta fortalecer as políticas públicas na área da infância, executadas no Estado, trabalhando de forma intersetorial com as áreas da Saúde, Educação e Assistência Social.

“Com a parceria fundamental da Seduc teremos uma formação continuada para que possamos juntamente com os educadores e as pessoas pelas quais a criança passa, criar uma ementa própria do Sergipe pela infância. Essa proposta veio de uma reflexão que começamos a fazer, e o grande desafio é montar uma formação de gestores para a primeira infância que não encontramos em uma caixa específica. Com todo o apoio da Seduc nós queremos refletir juntamente com educadores e cuidadores o que é a infância e o que tem que mudar a fim de que possamos contribuir para o desenvolvimento da criança”, mencionou Rosane Cunha.

A presidente da Undime em Sergipe, professora Quitéria Barros, destacou que “a primeira infância é um imperativo legal trazido pelo novo Fundeb, e todos nós temos ciência de que precisamos investir na primeira infância. Estamos nos apropriando do novo Fundeb, mas não há como desprezar a importância da primeira infância. Ela não pode estar apartada da educação. A partir do nascimento da criança, a educação deve estar presente, e investir é fundamental. Se investirmos na primeira infância criaremos uma trajetória educativa de êxito e protegemos as crianças, o que resulta lá na frente em termos menos vulnerabilidade”.

Assessoria de Comunicação da SEDUC

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Inscritos no Enem fazem neste domingo segundo dia de provas
Covid-19: Aracaju vacinou 17.398 mil pessoas nesta semana
Vice-governadora conhece serviços da Casa Mulher em Itabaianinha
Senador Alessando Vieira protocola emenda substitutiva para barrar interesses individuais