Aracaju, 7 de dezembro de 2021

Diabetes: Entenda doença e avanços para o tratamento

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Nesta semana que antecede o Dia Mundial da Diabetes, a Assembleia Legislativa de Sergipe vem alertando sobre pontos que geram dúvidas nas pessoas que convivem com a doença e naquelas que nunca tiveram contato com o problema. A diabetes é tema de campanha em todo o planeta para auxiliar quanto aos cuidados necessários na prevenção e no controle, com a data de 14 de novembro e o mês Novembro Diabetes Azul.

A enfermidade se apresenta em vários tipos e os mais comuns são tipo 1, tipo 2 e gestacional. Existem diferenças de sintomas e de causas entre eles e é possível prevenir o aparecimento em um dos casos, mas em todos é possível ter uma vida saudável.

A pessoa com glicemia alta tem geralmente fome frequente, sede constante e vontade de urinar diversas vezes ao dia. Mas os sintomas se diferenciam entre os tipos que a doença se divide.

Diabetes tipo 1

A diabetes tipo 1 atinge cerca de 5% a 10% das pessoas diabéticas. Ela pode se desenvolver desde a infância até a vida adulta e não há prevenção. Trata-se de um erro do sistema imunológico que ataca as células beta do pâncreas, onde é produzida a insulina e, com isso, acontece o encerramento da produção.

Para o tratamento, é preciso fazer injeções de insulinas diferentes algumas vezes por dia e acompanhar a glicemia com testes em casa sempre que possível. O mais indicado é aprender a fazer contagem de carboidratos e relacionar com a quantidade de insulina aplicada. Existem aplicativos que podem ser instalados em smartphones e auxiliam neste dia a dia.

Quando a pessoa desenvolve o tipo 1, costuma apresentar rápida perda de peso, fraqueza, fadiga, mudanças de humor, náusea e vômito. Os estudos científicos realizados até hoje não conseguiram saber por qual motivo o sistema imunológico ataca e destrói as células beta no pâncreas, por este motivo, não há como prevenir o seu surgimento.

Diabetes tipo 2

Já a diabetes tipo 2 se concentra em 90% das pessoas com diabetes. Aparece quando o organismo não consegue usar a insulina que produz de forma adequada ou não produz insulina suficiente.

É mais frequente em adultos, mas crianças também podem apresentar. É possível prevenir e controlar sem medicamentos, mas para isso é essencial realizar atividade física com frequência, ter um planejamento alimentar e perder peso. Quando isso não é feito, a doença exige o uso de insulina e/ou medicamentos orais para controlar a glicose.

Quando a enfermidade surge, a pessoa tem ganho de peso, formigamento nos pés e mãos, infecções frequentes na bexiga, rins e pele, feridas que demoram para cicatrizar e visão embaçada. Mas o diabético tipo 2 pode não identificar o aparecimento da doença por muito tempo, o que leva a problemas graves.

As principais causas são excesso de peso, sedentarismo, alimentação pouco saudável, tabagismo e acúmulo de gordura na região abdominal. Com isso, acontece a resistência à insulina e o pâncreas passa a produzir cada vez maior quantidade deste hormônio até o dia que não consegue mais realizar este aumento.

A dieta alimentar equilibrada e a prática de exercícios físicos com perda de peso podem, até mesmo, fazer com que seja desnecessário o uso de medicamentos orais ou por injeção na diabetes tipo 2. O controle pode ser feito mantendo uma vida saudável.

Este tipo é mais comum em adultos a partir dos 40 anos de idade, mas pode acontecer em crianças e adolescentes com má alimentação e obesidade.

Diabetes Gestacional

A diabetes gestacional se manifesta desde o início da gravidez até o parto. Com o feto, o corpo da gestante passa por várias mudanças e é preciso produzir mais insulina, o que não acontece em algumas mulheres. Neste quadro, o bebê tem maior risco de crescimento excessivo, o que causa partos traumáticos, hipoglicemia neonatal e até obesidade e diabetes na vida adulta.

As mulheres ou o bebê costumam apresentar ganho excessivo de peso, cansaço excessivo, visão turva, náuseas e infecções frequentes na bexiga, vagina ou pele. Este tipo tem maior incidência em mulheres com idade mais avançada, mas é possível acontecer em jovens.

Os fatores de risco são idade materna avançada, ganho de peso excessivo durante a gestação, síndrome dos ovários policísticos, hereditariedade, hipertensão arterial na gestação e gestação múltipla (gravidez de gêmeos). Ela se encerra após o nascimento do bebê, mas é preciso ter um controle da glicemia durante a gravidez para que a criança não tenha sequelas.

Tecnologia e a diabetes

Existem equipamentos que podem auxiliar no tratamento e controle da diabetes. O mais comum é o glicosímetro que mede a glicemia com o uso de uma gota de sangue, e as canetas de insulina, que são mais precisas na quantidade de insulina que se injeta do que as seringas, mas é possível acompanhar os níveis de glicose e injetar insulina sem processos invasivos.

Os diabéticos podem utilizar o sensor de glicemia para realizar a medição. O sensor é do tamanho de uma moeda e fica grudado no braço. A medição é feita através de rastreamento com a tecnologia NFC, a mesma utilizada para pagamentos com cartão de crédito e de débito por aproximação de smartphones, e pode ser compartilhada com a equipe médica. A leitura pode ser feita também por um glicosímetro.

Para utilizar a insulina, é possível fazer uso da bomba de insulina. Trata-se de um aparelho ligado por uma cânula ao corpo que injeta a insulina o dia inteiro e pode, inclusive, paralisar a injeção quando percebido a probabilidade de ocorrer hipoglicemias através de algoritmos de monitoramento.

Também está disponível no mercado, a insulina inalável. Ela é utilizada pela boca como acontece com as bombinhas para asma. Enquanto nas insulinas injetáveis o efeito começa a partir de cerca de 15 minutos após, as inaláveis iniciam o seu efeito imediatamente após o uso. No entanto, não são indicadas para quem tem problemas respiratórios.

Exames que detectam a diabetes

1 – Exame de Glicemia em Jejum

É feito em laboratório, solicitado por um médico, através da coleta de sangue e com jejum de 8 a 12 horas. É indicado para diagnosticar a diabetes e para o controle da doença após o diagnóstico.

2 – Teste oral de tolerância à glicose

É feito em laboratório e solicitado por um médico. A glicemia é medida antes e depois de ingerir um líquido açucarado. O objetivo é saber a reação do organismo a altas dosagem de glicose.

3 – Hemoglobina glicada

É feito em laboratório, solicitado por um médico, através da coleta de sangue e com jejum de 8 a 12 horas. Com ele, é possível saber a média da glicemia dos últimos três meses, sendo indicado para quem já está diagnosticado com diabetes.

4 – Glicemia pós-prandial

É feito em laboratório, solicitado por um médico, através da coleta de sangue duas horas após a refeição. É indicado para diagnosticar a diabetes e para o controle após o diagnóstico.

5 – Teste de ponta de dedo

É feito em casa utilizando um glicosímetro com o uso de uma gota de sangue da ponta de dedo. É indicado para o controle da doença após o diagnóstico.

6 – Sensor de glicemia

É feito em casa utilizando um sensor de glicemia que fica grudado no braço por 14 dias e rastreando com o uso do glicosímetro ou do smartphone. É indicado para o controle da doença após o diagnóstico.

Função da insulina

A insulina é um hormônio que tem como função metabolizar a glicose para produção de energia. Ela funciona como uma chave para abrir as células e permitir a entrada da glicose, onde será usada como energia para o corpo.

Na diabetes tipo 1, a injeção algumas vezes por dia de insulina é necessária, já que o pâncreas para de produzir este hormônio. Nos demais tipos de diabetes, é possível fazer o tratamento de forma eficaz sem a injeção de insulina, utilizando medicamentos orais que estimulam a produção do hormônio pelo pâncreas ou mesmo apenas com dieta alimentar equilibrada e prática de exercício físico. Em alguns casos, com a doença descontrolada, é preciso injetar a insulina para melhorar o tratamento.

Gravidez com diabetes

Todos os tipos de diabetes podem ser perigosos para as mulheres e para as crianças durante a gestação caso a doença não esteja controlada. Na diabetes tipos 1 e 2, é preciso se preparar para a gravidez, adequando os níveis de glicose no sangue no dia a dia antes mesmo da fecundação. Durante a gestação é também primordial estar em dia com este controle.

A mulher diabética pode ter uma gravidez saudável igualmente a qualquer outra mulher, mas é necessário estar sempre atenta aos níveis da glicemia dentro do recomendado pelo médico.

Alimentação

Não há restrições alimentares para diabéticos, no entanto é preciso controlar a quantidade dos alimentos. Não são apenas os doces que aumentam a glicose no sangue, mas também massas, frituras, carnes brancas ou vermelhas e até mesmo frutas e verduras, tudo isso quando consumidos em excesso.

Comer porções adequadas de três em três horas auxilia no controle da glicemia e na perda de peso ou ganho de massa muscular quando necessários.

Principais complicações da doença

A diabetes controlada não causa complicações, mas caso os níveis de glicemia fiquem alterados por muito tempo alguns problemas podem acontecer.

Pé diabético

Esta é uma das complicações mais frequentes e ocorre devido a lesões nos vasos sanguíneos e nervos. São feridas na pele e falta de sensibilidade no pé, podendo pisar em algo e não sentir. Em casos mais graves, pode ser necessária a amputação.

Nefropatia diabética

Trata-se de lesões que aparecem nos rins que levam a dificuldades na filtração do sangue. Isto pode levar à insuficiência renal e à necessidade de realizar hemodiálise.

Retinopatia diabética

É uma lesão nos vasos sanguíneos da retina dos olhos, podendo causar cegueira permanente. A visão turva ou desfocada é sinal de que precisa consultar um oftalmologista para realizar o tratamento.

Neuropatia diabética

É a degeneração dos nervos, o que provoca diminuição da sensibilidade em algumas partes do corpo, como os pés, originando o pé diabético ou sensação de queimação, frio ou formigamento nos membros afetados.

Problemas no coração

Diversos processos inflamatórios podem acontecer no organismo, aumentando o risco de comprometimento do coração. Assim, é maior a possibilidade de infarto, aumento da pressão arterial ou Acidente Vascular Cerebral (AVC).

Hipoglicemia

A glicemia muito baixa também é perigosa para a saúde, mas a consequência é imediata. Quando a glicose fica abaixo de 70 mg/dl, a pessoa fica desorientada e pode desmaiar. Em casos mais graves, pode levar ao coma e até à morte. A hipoglicemia é causada pelo excesso de insulina injetada ou pela falta de alimentação na hora correta.

Foto: Junior Ventura

Por Wênia Bandeira

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Prefeitura de Simão Dias promove Vacinação Itinerante contra Covid-19
Vereadores do município de Itabaiana ajuízam ação popular na 1ª Vara Cível contra a Deso
Cursos EaD podem ser incluídos como opção de financiamento pelo Fies
Laranjeiras adapta formato do Encontro Cultural à pandemia