Aracaju, 29 de novembro de 2021

Facebook agora é Meta: o que mudança significa para usuários?

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Simbolizando sua nova fase por meio da criação do Metaverso, universo virtual de interação através de avatares digitais, a mudança é aspecto amplo

No dia 28 de outubro, o mundo foi pego de surpresa com o anúncio da mudança de nome do Facebook para Meta. De acordo com o CEO da empresa, Mark Zuckerberg, a troca ocorre para simbolizar a nova fase, que está focada em construir um metaverso. Seu conceito é basicamente um universo virtual onde as pessoas vão interagir entre si por meio de avatares digitais.

Criado a partir de diversas tecnologias, como realidade virtual, realidade aumentada, redes sociais, criptomoedas e muitas outras ferramentas, a ideia do metaverso é torná-lo uma espécie de Internet 3D, onde comunicação, diversão e negócios existirão de forma imersiva e interoperável. Esse metaverso buscado por diversas empresas ainda não existe, mas essa ideia de integração virtual já foi tema de diversas histórias de ficção científica como  ‘Neuromancer’ de William Gibson e ‘Jogador Nº 1’ de Ernest Cline.

De acordo com Pollyana Bittencourt, professora do curso de Jornalismo da Universidade Tiradentes, é preciso ressaltar que o projeto depende muito do funcionamento do padrão de tecnologia 5G, ideal para o fluxo dos metadados e que o Metaverso busca ir além do entretenimento . “Podemos esperar maior dependência da plataforma. Isso é preocupante para quem está na ponta e não lucra com esse projeto. Acredito que é mais uma plataforma regida por um grupo minoritário que se torna mais rico e mais forte em detrimento à maioria”, reflete.

Caso se concretize, o Metaverso será um complemento à Internet atual, e não um substituto, podendo ser acessado não apenas por meio de dispositivos de realidade virtual, mas também no PC, celulares e consoles de videogame. Apesar da inovação tecnológica, as problemáticas da sua criação também se fazem presentes.

“O Facebook, como diversas outras plataformas, não nos garante privacidade e em caso de vazamento de dados não são punidos como deveriam. Ainda que tenhamos a LGPD e o Marco Civil da Internet, o caminho dessa regulamentação e execução é longo. Grandes empresas devidamente articuladas mundialmente crescem e não nos dão a opção de fazer escolhas”, reitera Pollyana.

Assessoria de Imprensa

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

39 famílias retiradas de casas em áreas de risco após fortes chuvas em Canindé de São Francisco
Estudantes  universitários de Carira recebem ônibus adquirido com emenda de Alessandro Vieira
Hospital de Urgências de Sergipe abre processo seletivo de 16 vagas para Residência Médica
Gracinha participa de 24ª Conferência Nacional da Unale