Aracaju, 27 de novembro de 2021

Os desafios do varejo pós pandemia

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Confira os desafios do varejo pós pandemia, entenda o impacto que esse cenário gerou nas vendas dos lojistas, no comportamento do consumidor e nas mudanças de hábito de consumo, e saiba como superar esse cenário, recuperando as perdas no futuro.

Por: Giovanna Parra*

Com um crescimento de 72% no comércio eletrônico brasileiro em comparação com o ano de 2020, os desafios do varejo pós pandemia também aparecem. Nesse cenário, reinventar-se nunca foi tão necessário.

As vendas online se tornaram algo fundamental para os lojistas, deixando de ser apenas uma opção. Isso porque, mesmo com a abertura das lojas físicas, os consumidores pretendem continuar comprando no comércio eletrônico.

Mas como enfrentar as incertezas do mundo pós pandemia e como isso impactará a maneira de consumir dos brasileiros? Continue a leitura e entenda!

Quais são os desafios dos varejistas pós pandemia?

Segundo dados da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), o período de distanciamento social entre 15 de março e 25 julho ocasionou uma perda de R$ 279 bilhões no setor de varejo.

Esse cenário também provocou uma queda no consumo, alta taxa de desemprego, redução do faturamento das empresas e uma mudança no comportamento de compra dos consumidores.

A maioria dos empreendimentos de varejo impactados pela pandemia foram os pequenos negócios e aqueles que não contavam com diferentes canais de vendas. Afinal, o principal método de venda dos varejistas são os pontos físicos. Não tendo outra forma de venda em um contexto de isolamento social e restrições de horários de funcionamento, os comerciantes vivenciaram uma dificuldade financeira e um cenário de imprevisibilidade e incertezas.

A estrutura do varejo não acompanhou as transformações ocasionadas pela mudança do meio físico para o digital. Essa falta de planejamento e despreparo gerou muitas consequências, como a insatisfação dos clientes e queda da confiabilidade, impactando na experiência do cliente.

Inovação

De modo geral a inovação representa um dos grandes desafios do varejo pós pandemia, pois as empresas desse setor não podem mais se acomodar em bons resultados quando o consumidor apresenta um comportamento mais dinâmico.

É fundamental olhar para as oportunidades desse período de modo a explorar novos canais de venda e atender as demandas dos consumidores no meio online. Além disso, a digitalização do comercio é fundamental para estruturar a comunicação com o consumidor e realizar mais vendas.

Alteração nos canais de venda

Além da migração dos negócios para a internet por meio do e-commerce, os vendedores devem explorar as mídias mais utilizadas pelo seu público para encontrar qual meio de comunicação eles mais utilizam. Assim, é possível desenvolver estratégias de venda mais eficientes e melhorar o faturamento.

O varejista deve ter em mente que o comércio eletrônico continua sendo um comércio, mas que muda é o canal de vendas. Nesse sentido, um atendimento de qualidade continua sendo importante, mas é preciso adaptar ao novo cenário.

Essas transformações também mostram a necessidade de explorar as redes sociais e as plataformas de e-commerce, que permitem que o comerciante divulgue os seus produtos e realize mais vendas.

Outro ponto relacionado aos métodos de venda online inclui a necessidade do varejista aplicar técnicas de pós-venda, diferentemente do que acontece em uma venda na loja física. No meio digital a relação entre a empresa e o consumidor não acaba após o pagamento. Isso porque há todo o processo de envio do produto, prazos de entrega e suporte ao cliente.

Mudança de comportamento do consumidor

Mesmo com a volta do mercado físico, o número de vendas online continua alto devido ao novo comportamento dos consumidores. No início da pandemia, o percentual de vendas na internet chegou a 64% e hoje é de 55%. Com esse valor elevado, a intenção de compra online é algo considerado comum no mundo pós pandemia.

Esse cenário também criou novas formas de interagir com as marcas, produtos e serviços, o que provocou um grande impacto sobre a jornada do cliente, passando a integrar os meios online e offline. Isso exige que os negócios se adaptem ao novo contexto e aumenta a complexidade das interações.

Além disso, houve uma mudança no hábito de consumidores mais conservadores. A mesma pesquisa mostrou que 54% dos indivíduos com mais de 55 anos veem o comércio eletrônico como uma solução e 51% dizem que pretendem continuar fazendo compras online.

E-commerces X lojas físicas

Diante do crescimento acelerado das vendas pela internet e a adaptação dos consumidores a esse meio, a tendência do modelo híbrido de negócio se intensificou. A previsão é que isso se mantenha no pós pandemia.

Isso significa que é preciso aproveitar as oportunidades e unir o e-commerce com as lojas físicas. Não é porque os negócios voltaram a funcionar normalmente que o lojista deverá colocar seu comércio online em segundo plano. Pelo contrário, é preciso investir nos dois meios para se manter no mercado e atender as necessidades dos consumidores.

Esse método de compra e venda fica mais claro nas empresas que trabalham com e-commerce, mas também disponibilizam a opção dos consumidores retirarem o produto na loja. Grandes marcas também investiram em espaços físicos em shoppings, vendendo por WhatsApp e combinando a retirada com o cliente para minimizar o contato físico e satisfazer o consumidor.

Nesse momento, a relação entre multicanais é cada vez mais real. O consumidor quer ser atendido em qualquer formato. Por isso, cabe aos lojistas ampliar os métodos de atendimento, compra e venda, integrando o ambiente físico e o online.

Como isso vai impactar essa mudança no consumo?

Os desafios do varejo pós pandemia devem ser entendidos para dar espaço a novas oportunidades de negócio. Apesar da crise, a vacinação traz esperança de retomada da economia, com previsão positiva para os próximos anos.

De qualquer forma, o período de isolamento social gerou uma mudança na forma de comprar das pessoas. Não há dúvidas de que os novos hábitos de consumo estão consolidados. Esse momento criou um novo perfil de consumidor, que busca a satisfação pessoal e que é mais imediatista e ansioso.

Os consumidores ainda evitarão saídas desnecessárias de suas casas, optando pelos serviços de entregas, como de supermercados. Outros marcos na mudança de consumo pós pandemia é o consumo inteligente — que visa mais benefícios e descontos —, priorização da saúde mental pelos indivíduos, consumo sustentável e sem rótulos, e a necessidade de criar um site de vendas.

Resumo

Para superar os desafios do varejo pós pandemia é fundamental se adaptar ao meio online e investir em tecnologia. Afinal, por meio dela o vendedor é capaz de gerir adequadamente seu negócio, controlar estoque, além de oferecer um melhor atendimento ao consumidor.

Nesse cenário, as plataformas de e-commerce também ganham destaque, auxiliando diversos empreendedores a comercializarem seus produtos e serviços na internet. Portanto, os varejistas devem apostar na inovação e aproveitar as oportunidades para recuperar as perdas e conquistar cada vez mais vendas.

*Giovanna Parra é Partnerships Analyst na Nuvemshop

Imagem: reprodução pixabay.com

 

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Políticos e lideranças defendem Mitidieri e só a “bolha” prefere Edvaldo! 
Beneficiários da tarifa social terá bandeira verde em dezembro
PC prende investigado por homicídio praticado em São Cristóvão
Espetáculo  Parada de Natal é uma das atrações deste sábado