Aracaju, 5 de dezembro de 2021

Marcha Fora Bolsonaro Racista difundiu consciência negra

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

“Negro, lindo, povo forte, que não teme a luta e não teme a morte! Viva o povo negro e Fora Bolsonaro Racista”, entoou a Iyalorixá Sônia de Oxum pelas ladeiras do Bairro América

Por: Iracema Corso

A inspiração de Zumbi e Dandara, líderes negros revolucionários, norteou pelas ruas do Bairro América a Macha Negra Fora Bolsocaro Racista no Dia da Consciência Negra, sábado, 20 de Novembro.

Secretária de Combate ao Racismo da Central Única dos Trabalhadores (CUT Sergipe), a professora Arlete Silva afirmou que o governo Bolsonaro não lhe representa.

“20 de novembro é dia de celebrar Zumbi, símbolo de resistência. E é isso que estamos fazendo aqui: resistir. Resistimos ao genocídio da população negra, ao governo Bolsonaro, que não nos representa, onde temos a carestia, aumento do gás de cozinha, aumento do combustível, e não podemos permitir mais isso, estamos juntos, nós, negros, população pobre e principalmente a população do Bairro América, símbolo de violência, onde a polícia sergipana adorava chegar batendo”, denunciou Arlete.

Roberto Amorim, dirigente do SINTESE (Professores), afirmou que a população negra está ainda mais marginalizada sob o efeito do retrocesso do governo Bolsonaro. “Estamos num momento em que a crise estrutural do governo genocida nos oprime, nos coloca em segundo plano, com o corte do Bolsa Família e o desemprego que só cresce, por isso estamos aqui para mostrar a união da força não só da população negra, mas de todos aqueles que o estado genocida marginaliza”.

O petroleiro Paulo criticou a postura da Fundação Palmares. “Todos os dias este governo pisa no nosso pescoço, este governo representa os banqueiros, representa as elites, não representa a população brasileira e menos ainda representa a população negra. No Dia da Consciência Negra, o representante de Bolsonaro na Fundação Palmares diz que não tem nada a comemorar, nos desrespeita, reproduz o racismo. Pelo preço absurdo da eletricidade, pela falta de emprego, Fora Bolsonaro, Racista”, declarou na Pça da Abolição, ainda na concentração.

CONTRA O RACISMO RELIGIOSO

O racismo religioso foi a denúncia feita pela Iyalorixá Lígia Borges, do Fórum de Religiões de Matriz Africana. “O racismo vivenciado a cada dia inviabiliza a cultura africana, ataca o nosso sagrado. O Estado tem que agir contra o racismo religioso. Existem terreiros fechados, queimados, como o terreiro do Pai Tiago, aqui no Bairro América. Nenhum Governo tomou providencia”. Várias lideranças religiosas participaram da manifestação para cobrar ação enérgica do Estado contra o racismo religioso e a intolerância religiosa.

No correr da Marcha Negra, a denúncia do racismo brasileiro preencheu o ato. Do Coletivo de Mulheres Negras Rejane Maria da Pureza, a jornalista Laila Oliveira questionou a democracia brasileira diante da opressão racista. “A gente só alcança verdadeiramente uma democracia quando a gente supera as opressões e o racismo hoje é a maior opressão que sustenta as desigualdades no país”.

NEGRO É LINDO

“Estamos aqui na rua num dia simbólico e representativo para dizer fora Bolsonaro! Negros e negras no poder! Negro, povo lindo! Negro, povo forte, que não teme a luta e não teme a morte! Viva o povo negro e Fora Bolsonaro”, declarou a Iyalorixá Sônia de Oxum.

O professor Fernando Gramoza reforçou a necessidade de manter acesa a chama da luta contra o racismo nos demais dias do ano. “Estamos num bairro de resistência negra, próximo ao bairro Cirurgia, onde temos um dos maiores quilombos urbanos do Brasil: a Comunidade da Maloca, onde o povo negro resistiu e onde a gente pode irradiar o que é ser cultura negra e o que é ser consciência negra. É importante que a inspiração do nosso líder negro revolucionário, o aniversário de morte de Zumbi dos Palmares esteja presente nos 364 dias do nosso calendário”.

Incomensurável o peso da herança negra africana na cultura brasileira, por isso no Dia Nacional de Zumbi, Dia da Consciência Negra, não podia faltar cultura. Antes, durante e depois da marcha teve Maculelê do SINTESE, Poesia, Afoxé, The Mob, Roda de Samba e Brega Funk.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Alessandro protocola novo pedido para instalação de CPI sobre Orçamento Secreto
Valadares Filho reeleito presidente estadual do PSB e Rogério exalta aliança em construção com o PT para um projeto forte
Natal Iluminado: programação contempla música e oficinas neste sábado. São mais de 4,5 mi de pontos de luz enfeitando
ABIH-SE promoverá 2ª edição do road show Viva Aracaju