Aracaju, 3 de dezembro de 2021

STJ concede liberdade ao delegado suspeito de envolvimento na morte de empresário na PB

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) determinou nesta terça-feira (23) a soltura do delegado de polícia de Sergipe, Osvaldo Resende Neto, que estava preso após determinação da Justiça da Paraíba, denunciado pelo envolvimento em uma operação policial que resultou na morte do empresário Gefferson Moura, em março deste ano.

O delegado estava preso desde o dia 24 de agosto, após uma decisão do Tribunal de Justiça da Paraíba. Segundo o advogado Guilherme Maluf, o STJ entendeu que não há motivos para a manutenção da prisão, que considerou desnecessária.

De acordo com a defesa, diante da discordância da decisão foi pedido o habeas corpus ao STJ. “Se trata de uma reafirmação que defendemos durante todo processo, ou seja, que essa prisão era totalmente desnecessária, que o delegado não oferecia qualquer risco à sociedade sergipana, muito pelo contrário. Então, é uma decisão para se celebrar, para se comemorar, porque se trata de um reconhecimento e de uma justiça, que é a liberdade do delegado Osvaldo Resende”, afirmou o advogado.

Entenda do caso – No dia 16 de março, os policiais estavam em território paraibano investigando um grupo que atua no roubo de cargas em Sergipe e que estava escondido na Paraíba. Eles alegam ter se deparado com um veículo em atitude suspeita e com o condutor armado com uma pistola. Teria havido reação e os policiais atingiram o motorista que ainda teria sido socorrido, mas morrido em seguida.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Linda Brasil aprova em primeira discussão projeto que exige de intérprete de Libras
Dra. Paula Saab recebe Moção de Aplausos da Câmara Municipal de Aracaju
Alessandro Vieira trabalhou de forma intensa para melhorias na PEC dos Precatórios
TRE-SE cassa mandato do deputado federal Valdevan Noventa em votação unânime, mas cabe recurso junto aoTSE