Aracaju, 19 de janeiro de 2022

Procuradoria da Mulher dialoga com alunos de Itabaiana

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Com o objetivo de promover o debate e denunciar as várias formas de violência contra as mulheres no mundo, a Procuradoria Especial da Mulher da Assembleia Legislativa de Sergipe (Prumualese) realizou, na manhã desta segunda-feira (06), um amplo diálogo com estudantes da Escola Estadual  Eduardo Silveira, no município de Itabaiana. A iniciativa é fruto da campanha dos ’16 dias de ativismo pelo fim da violência contra as mulheres’ – que é uma mobilização mundial que ocorre em mais de 160 países, sendo realizada no Brasil desde 2003.

A coordenadora da Procuradoria Especial da Mulher da Alese, Rosimeire Santos, reforça importância do combate à violência contra mulher.

De acordo com coordenadora da Procuradoria Especial da Mulher da Alese, Rosimeire Santos, teve por objetivo priorizar, principalmente, as escolas durante a campanha, iniciada em escola pública na capital sergipana. “Queremos sensibilizar e divulgar as ações, e principalmente, o combate à violência contra a mulher, que é o tema que abordamos hoje em Itabaiana. Na procuradoria existem projetos de levar a Lei Maria da Penha para as escolas, cujo objetivo é de levar o conhecimento dessa lei para os adolescentes, para que eles saibam distinguir o que é violência dentro dos seus lares e onde procurar ajuda. Fechamos esse projeto com os Grupos Reflexivos, onde não só as vítimas como também o agressor são trabalhados, e isso é muito importante. É isso que a gente está fazendo hoje através da campanha mundial da ONU desses 21 dias de ativismo.

A coordenadora salientou ainda que como o machismo ainda está enraizado em algumas famílias, passando a ser algo cultural, muitas crianças e adolescentes ficam sem entender o que está acontecendo. “Com isso, se eles conseguem entender a violência e que existe onde buscar ajuda, eles vão denunciar numa escola, num sistema da rede de enfrentamento, e aí os pais vão poder ser ajudados”, frisou, salientando que o  papel da procuradoria é de fiscalizar os órgãos competentes, de como estão funcionando, e também criar leis que possam melhorar esses serviços.

A psicologa da Procuradoria da Mulher, Ananda Teles Farias, foi a responsável por levar aos estudantes os diversos tipos de violências.

“Mas aí a situação é tão necessária que nós também fazemos essa acolhida e o encaminhamento para os órgãos de defesa de mulher e do homem também. O homem precisa de ajuda, com certeza ele viu no lar um pai que agredia uma mãe, a mãe que se submetida a essas agressões, e ele resolveu dar continuidade a essa situação. Então ele precisa ser ajudado neste sentido, ele precisa entender que o que está fazendo é errado e que ele precisa melhorar de comportamento para ter uma família digna e sem violência”, declarou Rosineide Santos.

Palestra

A psicologa da Procuradoria da Mulher, Ananda Teles Farias, foi a responsável por levar aos estudantes os diversos tipos de violências. Segundo destacou, estão previstos cinco tipos de violência doméstica e familiar contra a mulher na Lei Maria da Penha: física, psicológica, moral, sexual e patrimonial. Sendo a mais comum, a violência física. E a menos perceptível, a psicológica.

O estudante Judicael Matos Almeida, revela que já presenciou em seu bairro alguns tipo de violência citados na palestra.

Na ocasião, a profissional destacou que a violência psicológica é uma forma de agressão caracterizada por constrangimentos, ameaças, humilhação, manipulação, chantagem, isolamento, ridicularização, limitação do direito de ir e vir ou qualquer outra situação que cause prejuízo à saúde psicológica e autodeterminação da vítima.

Diante do quadro de violência apresentado aos alunos do Ensino Médio e Fundamental Maior da Escola Estadual  Eduardo Silveira, o estudante do 1º ano, Judicael Matos Almeida, ele já presenciou em seu bairro alguns tipo de violência citados na palestra. Diante do conhecimento de órgãos responsáveis por enfrentar a violência contra  a mulher, disse que a palestra foi fundamental por apontar a denúncia como combate ao crime.

“Sempre percebo esses tipos de violências. Esse  debate foi muito válido. Para a construção de uma sociedade futura, mais evoluída, não podemos deixar  passar casos absurdos como esses, de violência. A exposição foi muito positiva”, disse Judicael.

Janice de Jesus Sampaio, que é a diretora da escola, revelou que a instituição tem mais de 900 alunos matriculados.

Janice de Jesus Sampaio, que é a diretora da escola, revelou que a instituição tem mais de 900 alunos matriculados. Desse número, diante do acompanhamento escolar, foi registrado 21 casos de estudantes com depressão, e até a ocorrência de um caso de suicídio. A diretora destacou a importância do diálogo entre os alunos, e do conhecimento dos direitos das mulheres. Considera que ao conhecerem as leis e direitos, as crianças poderão acionar os órgãos responsáveis com mais autonomia.

“Muitas crianças e adolescentes sofrem com a violência dentro de casa. E para que a escola consiga mudar esse pensar é necessário que todos juntos, formando uma rede social, possamos reverter esse cenário, revertendo esse quadro terrível de violência doméstica e até de depressão. A criança e adolescente acaba prejudicando o seu futuro enquanto estudante ao enfrentar um conflito emocional. E nós, enquanto formadores de opinião, precisamos intervir, tentando ajudar por meio do diálogo”, frisou.

Foto: Jadilson Simões

Por Stephanie Macêdo

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Operação policial para combater os jogos de azar termina com a prisão de 20 pessoas no município de Itabaiana nesta quarta
Universidade Federal vai exigir comprovante de vacinação para comunidade acadêmica
Prefeito de Salgado lamenta fechamento de fábrica e garante lutar por mais empregos
E-mail com alerta sobre pesquisa de intenção de voto para 2022 é falso, diz MPF/SE