Aracaju, 24 de janeiro de 2022

Sintese realiza ato em frente ao TJ/SE e  cobra pagamento do 2º lote do redutor salarial

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Membros  do Sindicato dos Professores de Sergipe (Sintese) realizam na manhã desta segunda-feira (06) um ato em frente ao Tribunal de Justiça de Sergipe (TJ/SE), para cobrar do poder judiciário o pagamento do processo do segundo lote do redutor salarial.

O processo conhecido como “segundo lote do redutor” se arrasta desde 2004 e mais de 4.700 professores esperam receber o que lhes é de direito.

A questão é que o pagamento do “segundo lote do redutor” já poderia ter saído, mas a justiça está “emperrando” esse pagamento. Veja só que situação absurda: o processo já foi ganho pelo SINTESE, o Governo do Estado já depositou, há quase um ano, o dinheiro em conta judicial para o pagamento dos professores e professoras favorecidos no processo, mas a justiça não deposita o dinheiro na conta do SINTESE para que o sindicato faça o pagamento aos professores e professoras e nem faz o pagamento.

O mais curioso neste caso é que em outros dois processos também relacionados ao redutor salarial, conhecidos como “primeiro” e “terceiro” lotes do redutor, os quais o SINTESE também representou na justiça professores e professoras, já foram pagos. A justiça depositou o dinheiro na conta do SINTESE e o SINTESE fez os pagamentos aos professores.

Os três processos foram julgados pela mesma juíza, Dra. Simone Fraga, ou seja, em outros dois momentos distintos a Dra. Simone Fraga autorizouque o dinheiro saísse da conta da justiça e fosse para a conta do SINTESE, que por sua vez fez o pagamento aos professores e professoras. Mas agora, sem qualquer justificativa judicial plausível, a mesma juíza diz que não vai fazer o depósito na conta do SINTESE e também não liberar para que a justiça faça o pagamento. E o dinheiro? Segue parado em conta judicial há quase um ano e professores e professoras seguem tendo seus direitos negados.

“Todas as medias judiciais que podiam ser tomadas com relação a este processo o SINTESE já tomou. Não existe uma explicação jurídica, legal, para o que estamos vivendo. Defendemos que a justiça faça de imediato o depósito na conta do SINTESE para que possamos pagar a todos os professores e professoras, ou que a própria justiça faça o pagamento, mas que o faça sem morosidade. Por isso, nesta segunda, dia 6 de dezembro, vamos estar na porta do TJ cobrando que a justiça seja realmente feita e que seja feita o quanto antes, afinal são 17 anos de espera. Não precisamos esperar mais, o dinheiro já está na conta judicial, o que está acontecendo chega a ser vergonhoso para a justiça sergipana”, enfatiza, a presidenta do SINTESE.

Histórico

Em junho 2001 foi implantado em Sergipe o Plano de Carreira e Remuneração do Magistério (Lei Complementar nº 61/2001). Com a criação do Plano, professores da rede estadual tiveram aumento em suas remunerações. O então govenador da época, Albano Franco, criou mecanismos que possibilitaram reduzir a remuneração daqueles professores que receberam aumento.

Os cortes indevidos na remuneração dos professores tiveram início em janeiro de 2002. Em março do mesmo ano, o SINTESE entrou como um mandado de segurança alegando a ilegalidade da redução da remuneração dos professores. O mandado de segurança foi julgado procedente ainda em 2002. No entanto, os cortes indevidos só pararam de ser feitos em abril de 2003. Após os descontos, o SINTESE convocou todos os professores e professoras filiados para entrarem com processos para que lhes fosse restituída a verba descontada de maneira indevida de suas remunerações. A ação começou a correr na justiça em 2004.

Com informações e foto do Sintese

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Cursos oferecidos são de diversas áreas do conhecimento 
Covid-19 deixa o Sergipe sem time para jogar na quarta-feira após registrar 16 casos  no elenco
Senar Sergipe abre inscrições para cursos profissionalizantes
Senadora destaca a importância da ajuda de custo para UTI