Aracaju, 19 de janeiro de 2022

Doméstica denuncia que ficou trancada sem almoçar o dia inteiro. “Não conseguia nem contar o que havia acontecido”

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

 Trabalhadora doméstica desde os 12 anos, a senhora Valdeci procurou o SINDOMÉSTICO/SE (Sindicato de Trabalhadores Domésticos de Sergipe) para denunciar que no dia 28/11, na cidade de Aracaju, a sua patroa lhe manteve trancada em casa contra sua própria vontade e assim foi exposta à fome, desespero, sentimento de impotência e humilhação.

A dirigente da Central Única dos Trabalhadores (CUT Sergipe) e vice-presidenta do SINDOMÉSTICO, Quitéria Santos acolheu a trabalhadora na sede do sindicato. “Ela chegou muito nervosa, chorando sem parar. Não conseguia nem contar o que havia acontecido. Com certeza, foi um trauma ter ficado trancada e passando fome no último domingo”, afirmou Quitéria.

A trabalhadora doméstica Valdeci relatou que trabalhava nesta residência por 15 dias seguidos e folgava 15 dias, no entanto, ia pra casa para almoçar. “Pra comer, eu tinha que levar a minha alimentação. Para eu tomar café, eu tinha que comprar o meu pão. O meu namorado me dava até dinheiro pra eu comprar minha alimentação, porém, eu saí da casa desta pessoa e espero que outras trabalhadoras não passem pela humilhação que eu passei. Domingo, foi um absurdo o que ela fez comigo”, recordou emocionada.

Valdeci telefonou várias vezes para o celular da patroa para tentar falar com ela, mas ela não atendeu. “Eu pedi a ela para eu sair e almoçar em minha casa, já que ela ia pra casa da filha dela. Porém, ela disse que não era pra eu sair. Trancou todos os portões e eu fiquei presa. Teve o temporal, tive medo de um curto circuito, de acontecer um incêndio e eu trancada dentro da casa dela. Liguei várias vezes para ela vir pra casa e para abrir a porta para eu almoçar, mas ela não atendeu e não veio. Quando chegou ainda me disse vários desaforos e xingamentos”, contou a trabalhadora.

Segundo Quitéria Santos, após a pandemia, com aumento do desemprego entre trabalhadoras domésticas, a carestia, a situação de fome que boa parte da população tem enfrentado, principalmente neste cenário, o sindicato precisa cumprir o seu papel em defesa dos direitos das trabalhadoras e trabalhadores domésticos.

“Já tomamos as providências legais e todas as trabalhadoras domésticas que forem vítimas de algum tipo de assédio e violência no local de trabalho, precisa procurar o sindicato e denunciar. Para quem sofreu trauma, queremos dar apoio psicológico. Vamos buscar parcerias neste sentido”, informou Quitéria.

Por Iracema Corso

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Operação policial para combater os jogos de azar termina com a prisão de 20 pessoas no município de Itabaiana nesta quarta
Universidade Federal vai exigir comprovante de vacinação para comunidade acadêmica
Prefeito de Salgado lamenta fechamento de fábrica e garante lutar por mais empregos
E-mail com alerta sobre pesquisa de intenção de voto para 2022 é falso, diz MPF/SE