Aracaju, 20 de janeiro de 2022

Professor de Centro de Excelência conquista 3º lugar na Feira STEM

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Com um trabalho voltado para o estudo do aspecto socioemocional dos estudantes em face dos desafios impostos pela pandemia da covid-19, o professor de Biologia e Projeto de Vida, Marcos Antônio Goes Costa, do Centro de Excelência Cleonice Soares da Fonseca, em Boquim, conquistou o terceiro lugar na categoria Saúde da Feira Stem Brasil 2021. A iniciativa da Educando visa destacar e premiar projetos educacionais de aplicação prática nas áreas de Ciências Naturais e Matemática, promovendo assim o compartilhamento de boas práticas nas áreas STEM que envolvam as metodologias ativas. Foram 80 projetos classificados em 10 categorias, e estiveram envolvidas escolas de sete estados brasileiros, com participação de 117 professores e 291 alunos, totalizando 408 participantes.

“Para mim é um orgulho e satisfação pessoal e profissional ter um projeto reconhecido nacionalmente e representar o Centro de Excelência Cleonice Soares da Fonseca. Gratidão a toda equipe diretiva nas pessoas de Sara Carolina, Nara Souza e Genalva Andrade; aos estudantes que responderam à pesquisa e aos alunos que estiveram diretamente envolvidos: Mariana da Trindade Souza Ribeiro, Laylla Kamilla Alves Mota, Guilherme Nascimento Rodrigues, Luiz Felipe da Silva Neves, Noelle Menezes Silva, Kalebe dos Santos Andrade e Mariana Oliveira de Jesus. Viva a Ciência”, comemorou o professor Marcos Goes, que desenvolveu o projeto “Eu como estudante na pandemia: Uma análise socioemocional”.

Ele explica que por meio da eletiva “Desvendando o Corpo Humano” teve a ideia de criar um questionário sobre a covid-19 e os impactos das aulas on-line no comportamento e na vida dos estudantes. “O mesmo foi disponibilizado no Google Classroom da disciplina obtendo um total de 130 respostas, todas com perguntas dissertativas. Entrei em contato com alguns alunos, e estes me auxiliaram na interpretação e categorização dos dados. Após análises das questões identifiquei que 50% dos alunos relataram ter conseguido aprender com as aulas remotas e online, o que caracteriza um número baixo em relação ao esperado para um ano letivo. Quando indagados sobre o que teriam feito de diferente durante esse período, caso fossem professores, houve ênfase em dar mais atenção ao psicológico dos alunos, e 80% responderam dessa forma.  Sobre o que fariam diferente, como alunos, 90% enfatizaram que buscariam ser mais participativos e interessados”.

“É de suma importância continuar desenvolvendo pesquisas nessa linha socioemocional de estudantes juntamente com eles, para assim obter informações que tragam à tona os efeitos da pandemia sobre o processo de ensino e aprendizagem, solidificando o conhecimento e buscando alternativas para resolver essa crise. É interessante dizer que essa pesquisa é inovadora, pois busquei informações no meio digital sobre o tema em questão e tive dificuldades em encontrar, concluindo, portanto, que essa pesquisa pode ser um marco norteador para novos estudos. Inclusive inserindo uma análise com o corpo docente. Vale ressaltar que esse projeto foi analisado e julgado por uma banca de pesquisadores do STEM Brasil, um programa de capacitação de alta qualidade com duração de dois anos para professores do ensino público”, finalizou Goes.

Conheça o projeto: https://bit.ly/3Dw23CK.

Assessoria de Comunicação da SEDUC

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Motorista de aplicativo é encontrado preso em porta-malas de veículo abandonado em Aracaju
Aumento de vazão do Rio São Francisco: MPF aciona a Chesf para a proteção de ribeirinhos
Samuel afirma que não tem conhecimento sobre investigação e diz: “não sou homofóbico”
Ex-BBB Gui Napolitano confirma affair com Emilly Araújo: “Gente boa”