Aracaju, 28 de janeiro de 2022

Aracaju conclui plenárias preparatórias para Conferência Municipal em Saúde Mental

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

A Prefeitura de Aracaju, por intermédio da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), concluiu este mês a realização das cinco plenárias preparatórias visando a Conferência Municipal em Saúde Mental, que ocorrerá no dia 26 de janeiro de 2022.

O encontro acontece de forma presencial, com limite de público para evitar aglomeração, no auditório da Uninassau, das 8h às 12h, com a participação de usuários e coordenadores dos Centros de Atenção Psicossocial (Caps), familiares, comunidade universitária e o público em geral.

De acordo com Chenya Coutinho, coordenadora da Rede de Atenção Psicossocial da SMS, a Conferência Municipal em Saúde Mental que vai acontecer em janeiro antecede a Estadual e a Nacional, que ocorrerão em abril e maio, respectivamente.

“Uma das diretrizes do SUS é o controle social, e a saúde mental não passa longe. O Conselho Nacional de Saúde convocou uma conferência nacional em saúde mental. Essa conferência nacional é antecedida por etapas municipais e estaduais, e Aracaju já realizou as plenárias preparatórias para a etapa municipal. Foram quatro no mês de novembro e um agora em dezembro, que discutiu saúde mental e atenção primária. Tivemos uma participação maciça de trabalhadores, usuários e familiares, discutindo e pensando a política para os próximos anos, pensando no que é que a gente está precisando de saúde mental, o que é que a população quer ver”, explica a coordenadora.

Nas plenárias que ocorreram em novembro, foram abordadas temáticas sobre infância e adolescência, cuidados da pessoa com transtornos e sofrimento mental, cuidados das pessoas que fazem uso abusivo de álcool e outras drogas, saúde mental da população em situação de rua.

“A Conferência Nacional é ascendente, então Aracaju decidiu fazer conferências temáticas, com limitação de pessoas, pensando em não aglomerar. Daí surgem as propostas que vão ser levadas para a Conferência Municipal”, observa Chenya Coutinho.

A coordenadora enalteceu ainda o papel da Conferência como canal de diálogo entre a gestão e usuários. “É importante, porque é um dispositivo que ouve diretamente o usuário. Ouvir e construir coletivamente essa política é o que nós queremos. A política de saúde mental de Aracaju ainda investe no cuidado e liberdade, e esse investimento é corroborado pela população, que busca serviços em liberdade, com base no território, próximo à família, serviços que não vão excluir, tirar e colocar essa pessoa em outro lugar. São serviços com base nos territórios, é uma validação da população sobre o que Aracaju está fazendo e a forma como ele está conduzindo essa política”, conclui Coutinho.

Foto Sérgio Silva

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Comitê volta a se reunir segunda-feira e adotará medidas rígidas para evitar aumento da Covid
Katarina pode ser a surpresa da eleição disputando uma vaga para Federal
Famílias da zona rural recebem subsídio pra comprar imóveis, Em Sergipe, foram 8 contratos que somaram R$ 627 mil
Secretaria de Estado da Saúde recebe 48.550 doses de vacinas contra a Covid-19 nesta quinta