Aracaju, 16 de janeiro de 2022

Museu da Gente Sergipana volta comemorar natal com público

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Evento realizado pelo Grupo Banese contou com shows de Vanessa da Mata e artistas sergipanos em comemoração aos 60 anos do banco e 10 anos do museu

O reencontro do Museu da Gente Sergipana com o público aconteceu na noite da última sexta-feira, dia 10, sob luzes, muitas cores e sons, no Natal Cores da Gente, uma festa para relembrar como é bom celebrar a cultura, as artes e o ‘ser sergipano’. Com a casa cheia e ao som de artistas nacionais e locais, a programação deu continuidade às comemorações pelos 60 anos do Banese e 10 anos do Museu da Gente Sergipana Gov. Marcelo Déda.

Realizada pelo Grupo Banese e Museu da Gente Sergipana, com a promoção do Instituto Banese e Governo de Sergipe, a edição 2021 do Natal da Gente teve início com o show da cantora e compositora Vanessa da Mata, dividindo o palco com os artistas Lari Lima, João Ventura e a Orquestra Jovem de Sergipe. Em uma apresentação contagiante, Vanessa da Mata soltou a voz em canções do seu novo projeto intitulado ‘Quando Deixamos nossos Beijos na Esquina’ e de hits que fizeram o público cantar e dançar, criando uma atmosfera festiva.

A participação de Vanessa da Mata no Natal Cores da Gente foi uma troca de aplausos. O público a aplaudiu a cada música e Vanessa aplaudiu a iniciativa do Grupo Banese de proporcionar momentos como esse aos sergipanos. “Ter um lugar como esse que privilegia o povo, sua arte, sua força, é muito importante e a gente precisa muito mais disso. Onde eu vejo que isso existe eu aplaudo. Está sendo muito importante para mim participar desse momento. É acesso à cultura, à educação. Que a gente tenha mais instituições com essa força”, parabeniza Vanessa.

Essa é justamente a proposta do Grupo Banese, como afirma o diretor superintendente do Instituto Banese, Ezio Déda, ao comemorar o sucesso da programação. “A retomada de eventos com a presença do público, podendo proporcionar o acesso à cultura produzida no nosso estado, mas também criar conexões com o que é de fora é muito gratificante. Nesse tempo de pandemia, o Grupo Banese não parou de promover ações de fortalecimento da nossa cultura e dos nossos artistas e através do Natal Cores da Gente fizemos isso mais uma vez. Celebramos o natal e os aniversários do Banese e do Museu com o público e com a sergipanidade e alegria de sempre”, comemora.

Quem também comemorou e aprovou a programação foi a professora Christiane Campos. “É muito inspirador que a gente tenha a arte como um mecanismo de celebração dessa retomada de possibilidades da vida. Acho que a vivência da arte é esse momento em que a gente solidariza, compartilha emoções e acho que o Museu é um símbolo disso. Eu estou muito feliz por estar aqui com as minhas filhas que escutam Vanessa da Mata desde que estavam na minha barriga. E muito feliz por esse ser um evento no qual a população de diferentes faixas de renda pode estar presente por ser gratuito. Muito obrigada ao Banese, ao Museu e ao Governo de Sergipe por nos darem essa possibilidade”, afirma Christiane.

A vice-governadora Eliane Aquino prestigiou o evento, o qual denominou de uma noite linda. “Mais uma comemoração com muita alegria pelo aniversário de 60 anos do Banese e 10 anos do Museu da Gente Sergipana. Essa é uma noite linda de muita emoção, com todos os cuidados necessários, e meu desejo é de vida longa ao Banese e ao Museu. Muito obrigada por existirem e fazerem um trabalho tão importante para os sergipanos”.

O evento seguiu protocolos sanitários de prevenção à Covid-19. A entrada no local do evento só foi possível com a apresentação do comprovante de vacinação e utilização da máscara.

Atrações sergipanas

A festa também contou com o show de artistas sergipanos. Dividindo o palco com Vanessa da Mata, a cantora Lari Lima deu um show de interpretação ao unir sua voz à de Vanessa na canção ‘Não me deixe só’. Outro momento especial foi o número em homenagem ao centenário do cantor e compositor sergipano João Mello. Vanessa da Mata voltou ao palco e com a participação do neto de João Mello, o pianista João Ventura, e da Orquestra Jovem de Sergipe, o público apreciou um dos grandes sucessos do artista, a canção ‘Sambou Sambou’.

Encerrando a noite de comemorações, o Samba do Arnesto subiu ao palco com um repertório de grandes sucessos da música popular brasileira, deixando uma mensagem de parabéns ao Banese e ao Museu da Gente Sergipana. “Nossos parabéns ao Banese e ao Museu da Gente Sergipana, o mais bonito do país. Graças ao Banese temos um museu como esse e por isso desejamos muitos anos ao banco dos sergipanos. É uma felicidade e uma honra estar aqui”, afirma o vocalista.

10 anos do museu

O Natal Cores da Gente também reforçou a importância do Museu da Gente Sergipana como instrumento de valorização cultural. Ele, que há dez anos aproxima os sergipanos do que é seu, tem sua importância reconhecida pelo público do evento.

“Acho que o Museu da Gente Sergipana é o que faltava. Nós não tínhamos um museu com a nossa cara, moderno, mas que também cultiva as nossas tradições, nossa cultura e nossas raízes. O surgimento do museu foi muito importante para nossa cultura, para consolidar nosso passado e ao mesmo tempo construir nosso futuro. A festa está maravilhosa, o clima está muito bom e que Deus permita que a gente continue celebrando a vida como estamos fazendo nesse momento”, destaca Lucas Rios, advogado.

O estudante Flávio Pereira ressalta o papel social do museu. “A representação do museu para o Brasil vai além do que se espera enquanto agente de cultura, mas tem papel social também. É muito importante ver esse museu completar 10 anos, afinal é o nosso museu e eu como sergipano, gosto muito dele. É muito gratificante poder estar aqui hoje nessa festa”.

Exposição Cores da Gente

Dando continuidade às celebrações pelos 60 anos do Banese e 10 anos do Museu está em cartaz a exposição ‘Cores da Gente – Imersão e Emoção’. Aberta ao público no dia 11, sábado, a exposição é uma realização conjunta entre o Banese e a Energisa, duas empresas que mudaram Sergipe por meio de ações de responsabilidade e inclusão social. A iniciativa conta ainda com o apoio cultural da TV Sergipe.

Dentro de uma estrutura espacial geodésica, localizada na área externa do museu, a exposição é uma homenagem a 20 artistas póstumos sergipanos e um traçado histórico das artes plásticas em Sergipe do século XIX ao XXI. Isso tudo por meio de tecnologia de última geração que proporciona ao visitante uma experiência imersiva e sensorial.

O diretor presidente da Energisa, Roberto Currais, que esteve na exposição e conferiu de perto o resultado fala da satisfação em apoiar a iniciativa. “Muito orgulho e satisfação apoiar esse evento que abrilhanta as artes plásticas e os artistas sergipanos.  Que a exposição Cores da Gente sirva de inspiração aos jovens e que cada vez mais Sergipe seja reconhecido pela sua cultura e artes plásticas”, destaca.

A exposição é mais um projeto do Instituto Banese com o apoio da TV Sergipe, como conta a diretora Comercial e de Marketing, Suelene Sá. “Para a TV Sergipe é uma alegria imensa apoiar esse projeto porque a gente compreende a legitimidade da cultura sergipana nessas ações promovidas pelo Instituto Banese. Esse não é nosso primeiro projeto, há muito tempo estamos juntos em parcerias para exaltar a cultura sergipana”.

Com entrada gratuita, a exposição ficará aberta à visitação até dia 22 de dezembro, das 12h às 20h. O museu também permanecerá com a decoração natalina em sua fachada até o final do ano. A decoração é de Vera Souza, com painéis pintados pelo artista André Chagas. Até o dia 23 o museu permanece em horário diferenciado, das 12h às 20h.

Foto assessoria

Por Ayalla Anjos

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

FSF realiza testagem em clubes e seis atletas do Maruinense e cinco do Falcon testam positivo para Covid-19
Sergipe vence Falcon na abertura do Sergipão X1bet
Projeto da Elese estimula abertura de escolas do legislativo no interior
Covid-19: Brasil tem 22,9 milhões de casos e 620,9 mil mortes