Aracaju, 22 de janeiro de 2022

Luta contra Reforma Administrativa e Fora Bolsonaro vai ao Prédio de Arthur Lira

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Lideranças sindicais de Sergipe falam sobre manifestação do sábado que levou a luta do Nordeste para Alagoas

por: Iracema Corso

Contra a Reforma Administrativa e pelo Fora Bolsonaro, a insatisfação popular viajou para a cidade de Maceió, capital do estado de Alagoas, no último sábado, dia 11 de dezembro. O movimento sindical e os movimentos sociais de todos os estados nordestinos saíram da Pça Multieventos em caminhada pela Orla da Praia de Pajuçara até o apartamento do deputado e presidente da Câmara Federal, Arthur Lira.

Com mais de 120 pedidos de impeachment contra Bolsonaro, a maioria deles foi sequer apreciado pelo atual presidente da Câmara Federal Arthur Lira. Com o protesto, a população mais uma vez manifesta o repúdio e a insatisfação frente a este governo da fome, miséria, desemprego e que tratou com desdém a pandemia da Covid19 com saldo de mais de 616 mil brasileiras e brasileiros mortos.

Mais de 80 militantes sociais de Sergipe participaram do protesto na cidade de Maceió. Membro do Conselho Fiscal do SINDOMESTICO/SE, Raimunda Leal participou do ato e testemunhou palavras de apoio, buzinas e palmas de pessoas que estavam na praia e pararam pra ouvir o protesto.

“O recado foi dado no estado que elegeu Arthur Lira: não queremos a Reforma Administrativa para destruir o serviço público e fora Bolsonaro genocida. Pela quantidade de manifestantes e sindicatos que fizeram uma marcha enorme, bem vermelha e bonita, com muitas faixas, o deputado federal já deve estar sentindo o peso da insatisfação popular. Esperamos que ele mude de ideia, que ele escute a população brasileira cansada de sofrer com o desemprego e a fome. Com Lula, a população comia picanha, hoje a população está na fila do osso. Será que os deputados não enxergam isso?”, questionou Raimunda Leal.

Rilda Alves, presidente da CUT Alagoas, falou sobre a Reforma Administrativa (PEC 32). “Precisamos valorizar mais o serviço público. Esta PEC não melhora a vida de ninguém, pelo contrário, veda recursos, reduz o acesso dos serviços à população, por isso neste ato, em que Alagoas está acolhendo outros estados do Nordeste, vamos abordar mais uma vez os parlamentares que é quem tem poder de voto, poder de veto e que são eleitos para melhorar a vida da população, ao invés de usar o voto como moeda de troca”, alertou.

O professor Chicão, dirigente do SINTESE, presenciou dirigentes sindicais de todos os estados do Nordeste, trabalhadores do campo e da cidade na manifestação. “Fomos até o apartamento de Lira para entregar um ofício pelo arquivamento da PEC 32. Chamamos por ele, interfonamos, mas preferiu não nos receber e nem quis receber o ofício. Alagoas tem uma história marcante na política brasileira pelo peso do coronelismo que sempre atrapalhou todo tipo de esforço democrático. Assim, no protesto foi questionado o orçamento secreto que destinou emendas aos deputados que apoiam Bolsonaro. A velha política do ‘toma lá, dá cá’ em detrimento do que realmente interessa à população”, criticou Chicão.

Manifestantes do Nordeste também criticaram que um dos objetivos da Reforma Administrativa é privatizar o serviço público. Para os dirigentes sindicais, além de apoiar os desastres do governo Bolsonaro e de não analisar os pedidos de impeachment, o deputado Arthur Lira não pode aprovar a Reforma Administrativa e, assim, ajudar a destruir o serviço público que leva educação, saúde, assistência social, entre outros serviços, à maioria da população brasileira.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Escola de Artes Valdice Teles abre inscrições para 685 vagas em diversos cursos
Defesa Civil segue monitorando municípios sergipanos margeados pelo Rio São Francisco
Provas do Enem 2022 serão aplicadas no mês de novembro; confira todo cronograma
Prefeitura abre novo edital para eleição do Conselho da Previdência