Aracaju, 21 de janeiro de 2022

Núcleo de Arquitetura e Urbanismo faz pesquisas cartográficas

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

O Nuppe é um projeto de extensão da Unit que presta serviços voltados à Arquitetura e Urbanismo.

As atividades de extensão são uma forma de aproximar o universitário da prática da profissão. Um dos projetos que a Universidade Tiradentes (Unit) possui é o Núcleo de Projetos, Pesquisa e Extensão em Arquitetura e Urbanismo (Nuppe). Juntamente com outros programas, a exemplo do Núcleo de Práticas Jurídicas (NPJ), o Nuppe realiza atendimento a comunidades em situação de vulnerabilidade.

O núcleo é composto por cinco alunos monitores, três alunos colaboradores e tem como orientadora a professora Lygia Nunes Carvalho. Nos últimos anos, realizou o levantamento de ações solidárias voltadas a esses grupos, o mapeamento do Patrimônio Histórico e Cultural Arquitetônico em Aracaju e pesquisas cadastrais para fins de processos de usucapião, este último em parceria com o NPJ.

De acordo com a coordenadora do Nuppe, professora Lygia Nunes Carvalho, este ano foi de desafios. “Desde o início de 2020 fomos desafiados a adaptar completamente as nossas atividades para o virtual. Então, trabalhamos com a realização de cartografias virtuais, de livre acesso para toda a população através da plataforma Google. Iniciamos a documentação desses trabalhos, tanto de elaboração de um mapeamento das ações já realizadas desde 2017  como de escrita de artigo científico. Além disso, estamos trabalhando na realização de eventos abertos ao público em geral, com a produção de conteúdo sobre Arquitetura e Urbanismo e sociedade contemporânea, através de nossas redes sociais”, contou Lygia.

Para ela, os trabalhos realizados pelo núcleo impactam direta e positivamente a sociedade. “O Nuppe é um importante meio de aplicação da Lei de Assistência Técnica – prestação de serviços de arquitetura e engenharia para a população que não tem acesso a esses serviços e não pode pagar o valor de mercado. Desempenhamos um importante papel no tocante às ações que auxiliam no entendimento do papel social do arquiteto e urbanista, tanto para a sociedade quanto para nossos estudantes”, enfatizou.

Para os estudantes, fazer parte do núcleo é uma oportunidade de ter contato com a pesquisa e a extensão, presentes na formação universitária. “O Nuppe contribui com uma experiência única de contato com a pesquisa e a extensão, importantes elementos da formação acadêmica. A principal contribuição é a prática através do atendimento a comunidades e populações em situação de vulnerabilidade. É uma experiência única de entendimento do papel social do arquiteto, algo pouco conhecido, uma vez que a imagem do arquiteto muitas vezes está atrelada somente à elaboração de projetos grandiosos, de ambientação para pessoas que podem pagar caro por isso”, disse a coordenadora.

A aluna do curso de Arquitetura e Urbanismo Eduina Bezerra França é monitora no Nuppe. Para ela, participar do projeto é uma maneira de fomentar novos saberes. “O Nuppe é bastante dinâmico. Tem reuniões semanais e atividades frequentes em que podemos trocar não só informações, mas conhecimento. É prazeroso participar das discussões de temas que não são tão frequentes na sala de aula. Além disso, existe uma relação muito evidente entre a teoria e a prática. As atividades extensionistas são, sem dúvida, uma forma de nos tirar da zona de conforto e nos fazer olhar para a cidade por outro viés”, contou.

Por meio das redes sociais, o Nuppe realizou os projetos Quartas Monumentais, em que foram apresentadas várias obras; Conheça o Nuppe, no qual semanalmente foram apresentados arquitetos e arquitetas invisibilizados; homenagens de datas comemorativas e dicas da semana.

Para o próximo ano, a coordenadora do Nuppe espera retomar a presencialidade dos atendimentos. “Acredito que já teremos um cenário seguro para retorno das nossas atividades presenciais. Queremos continuar trabalhando com novas cartografias e conteúdo para redes sociais, mas também realizamos eventos presenciais, atendimento a comunidades e, principalmente, retomar nossas atividades de usucapião junto ao NPJ”, concluiu Lygia.

Para receber atendimento do núcleo, a comunidade pode procurar a sede do Nuppe, que fica no bloco G do campus Farolândia ou pelo Instagram @nuppeunit.

Assessoria de Imprensa

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Flash Político: Mitidieri disputa Governo e admite que perto da decisão haja inquietação
Confira programação e horário de testagem nas UBSs e bairros de Aracaju
E-commerce do Supertem se consolida como líder no mercado sergipano
Gestores sergipanos têm até 30 de janeiro para enviar informações ao TCE