Aracaju, 22 de janeiro de 2022

Saúde reúne membros do Comitê Estadual de Prevenção à Mortalidade Materno-Infantil e Fetal

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

A secretária de Estado da Saúde, Mércia Feitosa, abriu na manhã desta quinta-feira, 16, a primeira reunião ordinária do Comitê Estadual de Prevenção à Mortalidade Materno-Infantil e Fetal em sua nova composição, realizada no auditório do Centro Administrativo da Saúde. Na pauta, as taxas de óbito e as estratégias propostas para melhorar o cenário que, no caso materno, foi agravado devido à Covid-19.

Mércia Feitosa destacou a missão do comitê como o órgão do Estado responsável pela condução da política de enfrentamento às mortalidades. A secretária reconhece que as taxas são elevadas, estando elas bem distantes do que foi pactuado com os municípios e do que preconiza a Organização Mundial de Saúde (OMS), mas também destacou que este não é um problema exclusivo da gestão estadual, mas que permeia nas demais esferas de governo.

São muitos os fatores que, por um lado favorecem o crescimento das mortalidades materno-infantil e fetal e, por outro, dificultam o trabalho de enfrentamento para a redução dos óbitos, segundo expressou a secretária, salientando o papel vital dos municípios nessa questão. “Entendemos que o caminhar paralelo com a Atenção Primária pode reverter os indicadores se toda a linha de cuidado com a gestante, puérpera e a criança for executada com eficiência”, disse.

De acordo com Mércia Feitosa, 90% dos óbitos poderiam ser evitados. E os fatores que levam às mortes precisam ser discutidos e enfrentados, seja na rede materno-infantil, seja na Atenção Primária. “Mas precisamos discuti-los e o comitê vai ser o grande fomentador de ideias, propostas, estratégias, para que a gente potencialize e coloque em prática o Plano de Redução da Mortalidade Materno-infantil que estamos construindo”, enfatizou Mércia Feitosa, acrescentando que o documento está sendo elaborado com o envolvimento de todas as diretorias da Secretaria de Estado da Saúde.

A presidente interina do Comitê Estadual de Prevenção à Mortalidade Materno-Infantil e fetal, médica sanitarista Priscila Batista, apresentou na reunião o panorama dos óbitos maternos, mas também os caminhos a serem seguidos conjuntamente com a sociedade para revertê-los, bem como os fatores que os determinam. Salientou que a mortalidade materno-infantil e fetal transborda o campo da saúde, sofrendo interferência na área do desenvolvimento social.

“O acometimento da mortalidade ocorre em grupos mais vulneráveis. O perfil dos óbitos maternos aponta para mulheres pretas ou pardas, pobres, com baixa escolarização e em geral que não tenha feito planejamento familiar e revela também dificuldade de acesso aos serviços de saúde mais qualificados, a métodos contraceptivos, a informações sobre direitos humanos e seus direitos como mulher que a favoreça na estruturação da sua vida, além da questão da violência associada”, observou.

A médica pediátrica Cristina Leal é a responsável no comitê pelas investigações dos óbitos infantis e fetais e foi palestrante na reunião desta quinta-feira, quando apresentou o cenário da mortalidade das crianças dos últimos 10 anos. Ela falou também sobre o coeficiente dos óbitos, características, prevenção e as propostas do comitê para barrar a curva ascendente da mortalidade infantil e fetal em Sergipe.

“Nos últimos 10 anos o coeficiente da mortalidade infantil em Sergipe está em uma crescente e, infelizmente, vem aumentando à custa da mortalidade neonatal precoce, que são os bebês com idade entre zero a seis dias de vida. São eles que estão indo mais a óbito”, lamentou a médica pediatra, informando que o coeficiente calcula o óbito entre crianças na faixa etária de zero a 365 dias de vida. Ela citou como fatores preponderantes da mortalidade infantil e fetal o pré-natal principalmente, mas também a atenção da mulher ao parto, atenção da mulher à gestação e atenção ao recém-nascido.

Composição

Dentre os diversos órgãos públicos e da sociedade civil que compõem o Comitê Estadual de Prevenção à Mortalidade Materno-infantil e Fetal estão representantes de instituições de defesa das mulheres e das crianças, doulas (assistente de parto, sem necessariamente formação médica, que acompanha a gestante até os primeiros meses após o parto, com foco no bem-estar da mulher), do MST, Pastoral da Saúde, Sociedades Sergipanas de Pediatria e de Ginecologia e Obstetrícia, Associação Brasileira de Enfermagem, Universidade Federal de Sergipe, Conselho Estadual de Saúde, maternidades públicas, privadas e filantrópicas, além dos secretários municipais de saúde.

Foto: Flavia Pacheco

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Escola de Artes Valdice Teles abre inscrições para 685 vagas em diversos cursos
Defesa Civil segue monitorando municípios sergipanos margeados pelo Rio São Francisco
Provas do Enem 2022 serão aplicadas no mês de novembro; confira todo cronograma
Prefeitura abre novo edital para eleição do Conselho da Previdência