Aracaju, 20 de janeiro de 2022

Quem são os invisíveis sociais  da sociedade brasileira?

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Segundo dados do IBGE mais de três milhões de brasileiros não possuem certidão de nascimento, as regiões mais afetadas são Norte e Nordeste

Segundo dados oficiais do Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia (IBGE), cerca de 3 milhões de brasileiros que chegam à vida adulta sem certidão de nascimento – registro obrigatório para qualquer outro documento. A pesquisa foi divulgada em 2019 e também revela que as regiões que apresentam maior índice dos que não possuem esse documento são a Região Nordeste (2,5%) e Região Norte (7,5%).

Conforme explica Daniela Moura Bezerra Silva, professora tutora virtual da Universidade Tiradentes, essas são também as regiões com os maiores números de pessoas sem ou com baixa escolaridade, o que contribui para tal cenário. “A desinformação é outro fator relevante, existem casos de mães que acreditam que se o pai não quiser registrar a criança, ela não teria como ser registrada, por exemplo. Um terceiro fator que podemos considerar é o isolamento de determinadas comunidades, como acontece no norte do país. Além desses, temos um número pequeno de partos realizados fora do ambiente hospitalar, o que dificulta o acesso ao registro”, reitera.

Daniela completa que é necessário lembrar que o registo civil é responsável por incluir grande parte dessas pessoas na sociedade. “Eu passo a existir para o Estado e o Estado, por sua vez, dará a proteção devida e ditará as minhas obrigações sociais. Em outras palavras, com esse documento, passamos a ser cidadãos de um país, possuindo desta forma, direitos e deveres. Sem o registro civil, não existimos oficialmente, portanto, não conseguimos ter nossos direitos garantidos. Não teremos acesso à escola, a programas sociais, ao trabalho formal, por exemplo. Sem o registro civil não teremos pátria, nos tornaremos socialmente invisíveis”.

O tema, abordado no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), também fica em evidência no fim do ano quando o número de pessoas em condição de vulnerabilidade social aumenta consideravelmente. O principal conceito é que uma pessoa está em vulnerabilidade social quando ela apresenta sinais de desnutrição, condições precárias de moradia e saneamento, não possui laços familiares e nem dispõe de recursos financeiros para sobreviver. Esses fatores compõem um grande risco social, ou seja, é um cidadão, mas geralmente ele não tem consciência de que possui os mesmos direitos e deveres dos outros.

Para diminuir o número de pessoas na situação de vulnerabilidade social e garantir o  acesso ao registro oficial é necessário o apoio governamental. “O governo em anos anteriores, com a meta de reduzir esses números, realizou algumas ações, como a facilitação para tirar o documento (maternidades interligadas com cartórios) e a gratuidade do mesmo. Contudo, é evidente que precisamos de outras medidas como campanhas publicitárias destacando a importância de ter o documento e até mesmo instruindo como fazê-lo, a elaboração de cartilhas educativas distribuídas nos locais de serviço público. Poderia se pensar também em diminuir a burocracia envolvida no processo ou informar exaustivamente os passos necessários para se chegar ao registro civil”..

Assessoria de Imprensa

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Motorista de aplicativo é encontrado preso em porta-malas de veículo abandonado em Aracaju
Aumento de vazão do Rio São Francisco: MPF aciona a Chesf para a proteção de ribeirinhos
Samuel afirma que não tem conhecimento sobre investigação e diz: “não sou homofóbico”
Ex-BBB Gui Napolitano confirma affair com Emilly Araújo: “Gente boa”