Aracaju, 27 de janeiro de 2022

Belivaldo vai encerrar 2021 dando a volta por cima na política e na gestão 

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Este colunista costuma fiscalizar e cobrar os homens públicos “de plantão”, mas também sabe reconhecer e elogiar quando eles acertam e produzem o bem à coletividade. E um gestor, bem cobrado e fiscalizado por este espaço, é o “galeguinho”, o governador Belivaldo Chagas (PSD). Entre erros e acertos, com seu estilo “duro”, mas com sinceridade nas palavras, não é exagero (e nem bajulação) avaliar que ele deu a volta por cima neste 2021.

Belivaldo iniciará o ano novo, seu último de gestão, logo com uma boa nova: deverá anunciar algum reajuste salarial para o servidor público. O funcionalismo está há oito anos sem sequer a reposição inflacionária, viu os aposentados e inativos passarem a contribuir mais com a previdência e reclamam de falta de valorização, de salários defasados, cobram gratificações e outros direitos. 2022 é um ano eleitoral e os desafios serão ainda maiores para quem está à frente do Executivo.

Do ponto de vista político, em uma análise fria e objetiva, há de se pontuar duas coisas: a primeira grande vitória no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que revogou a condenação do regional e preservou os mandatos de Belivaldo e da vice-governadora Eliane Aquino (PT) até o final do governo. É evidente que o cenário e a discussão política seria outra neste momento, se a cassação da chapa fosse confirmada. Como consequência, o “galeguinho” também manteve o controle de sua sucessão.

Se a oposição já se antecipou em apresentar “pré-candidaturas”, Belivaldo conseguiu empurrar para meados de Janeiro uma possível definição do pré-candidato a governador indicado por seu agrupamento, além de assegurar a unidade dos principais líderes da situação, evitando dissidências. É natural que ainda fiquem algumas “arestas”, mas o jogo é muito simples: quem não aceitar a decisão da maioria, terá o direito e a liberdade para seguir outro caminho, sem tirar o favoritismo de um projeto governista.

Mas voltando à análise “administrativa” da gestão, também não é exagero reconhecer que o governador vai terminar 2021 numa condição bem diferente de como iniciou. As rodovias estaduais, por exemplo, com avanço ou atraso, estão sendo recuperadas com os programas Pró-Rodovias I e agora o Pró-Rodovias II; o Hospital da Criança foi entregue e está em funcionamento, e já se fala finalmente no Hospital do Câncer; vem aí um reforço no efetivo da Segurança Pública; a CEASA de Itabaiana parece caminhar para uma solução e, independente do reajuste, os salários do funcionalismo estão em dia, em dezembro foi antecipado e o 13º deixou de ser parcelado.

Com esta análise este colunista não quer dizer que tudo vai muito bem no governo de Belivaldo. É evidente que existem problemas, que há muito para avançar, inclusive na relação com os servidores. Mas há de se reconhecer que houve uma melhora administrativa. Ele seguirá sendo fiscalizado! Elogiado quando acertar e cobrado quando estiver errando. É a regra do jogo! E que as “boas novas” perdurem! Quem ganha com isso é quem precisa de um serviço público atuante e eficiente.

Sobre a nota 0

Este colunista reproduziu o resultado da avaliação dos Portais de Transparência da administração direta e indireta do Governo do Estado e da Prefeitura de Aracaju, feita anualmente pelo Tribunal de Contas, destacando a nota “0” das Fundações RENASCER e FUNDAT.

Contato telefônico

Diante da publicação, o presidente da Fundação Renascer, Wellington Mangueira, entrou em contato telefônico com este colunista para explicar a nota 0, assegurando que já encaminhou um ofício ao TCE solicitando a correção da mesma, garantindo que informou e cumpriu todas as informações pertinentes à instituição que representa e pediu o seguinte DIREITO DE RESPOSTA:

DIREITO DE RESPOSTA I

“Estamos encaminhando à Vossa Senhoria, conforme entendimento mantido por telefone, o relatório de notas de avaliação e performance da Fundação Renascer, de 2020 à outubro de 2021, e, ainda, a métrica/matriz de fiscalização de transparência pública, da lavra do Tribunal de Contas do Estado de Sergipe, onde consta que o site da Fundação Renascer se encontrava inacessível no dia 14.12.2021, data da avaliação”.

DIREITO DE RESPOSTA II

“O que nos causou profunda surpresa, mesmo porque, se V.Sra observar na coluna SIM ou NÃO, verificará, como resposta o NÃO, e logo em seguida “site inacessível” quando a premissa de avaliação é elencada, como por exemplo a “Unidade Jurisdicionada possui informações sobre transparência na internet”? e, pasme V.Sra, a resposta é NÃO, quando na verdade, pode ter havido uma pane no dia da avaliação, posto que logo em seguida, ao NÃO: ‘site inacessível'”, continua a nota.

DIREITO DE RESPOSTA III

“Assim, data máxima vênia, e apesar da contundência de suas críticas, com as quais, frise-se não concordo (porém como disse, Voltaire “Não concordo com uma única palavra do que dizeis, mas defenderei até a morte o direito de dizê-la”) urge, em nome de um jornalismo sadio acompanhar a apuração já solicitada ao Tribunal de Contas do Estado de Sergipe, o porquê dessa divulgação, antes mesmo de ouvir o órgão ofendido, mormente, quando se fechou para o recesso”.

DIREITO DE RESPOSTA IV

“Em anexo, estamos encaminhando ofícios enviado à Secretaria de Estado de Transparência e Controle, ao próprio Tribunal de Contas, e a EMGETIS, bem como, e por oportuno, o ofício resposta de nº 464, da Secretaria de Estado da Transparência e Controle, onde fomos orientados a requerer revisão da avaliação questionada ao próprio TCE”, completa a nota o presidente da Renascer, Wellington Mangueira.

 Veja essa!

Este colunista tem o histórico de fazer suas denúncias e cobranças sempre bem fundamentado, com documentos, e preservando as fontes; também jamais se negou a garantir o direito ao contraditório, assegurando este democrático espaço para que todos os atingidos e/ou citados possam se manifestar.

E essa!

Sobre a nota “0” dada pelo TCE à Fundação Renascer, este colunista a mantém e se compromete em acompanhar o desenrolar dos fatos. Se a reivindicação do presidente do órgão tiver procedência e a nota for alterada, estejam todos cientes que este espaço jamais se furtará de não só reconhecer, como também de dar publicidade.

“Couro grosso”

Mas este colunista também reafirma sua postura crítica e de fiscalização à gestão da Fundação Renascer. O espaço é democrático, jamais se curvou a ilações e ameaças, e muito menos a “históricos”. O compromisso aqui é informar a sociedade e acompanhar a boa aplicação do dinheiro público, do dinheiro do cidadão comum. Em síntese, a pressão é 12×8 e o “couro é grosso”!

Oportunidade única I

Mas após quase dois anos denunciando supostas mazelas na Fundação Renascer, este colunista não pode esconder a satisfação de, pela primeira vez, ser procurado pelo presidente Wellington Mangueira, solicitando um direito de resposta. Talvez, com seu histórico democrático, ele tenha refletido que chegou o momento de falar.

Oportunidade única II

E, assim como Voltaire, este colunista também é defensor da liberdade de imprensa, da liberdade de expressão, e talvez por ser muito tolerante, entende que esta é uma oportunidade única para Wellington Mangueira começar a explicar tudo o que foi denunciado sobre a Fundação Renascer, e não apenas por este colunista.

Oportunidade única III

O espaço é tão democrático que assegura o espaço para Wellington Mangueira separar “o que é verdadeiro do que é falso” sobre a Fundação Renascer. Que ele não se prenda apenas à nota “0”, que para este colunista é a consequência de um todo! O “professor” tem a grande chance de tirar um “10”! Mas terá que ser mais convincente…

Adolfo Rollemberg I

Os deputados estaduais aprovaram, por unanimidade, o projeto de lei de autoria do Poder Executivo que trata da Cessão de Uso para o município de Aracaju do Estádio Adolfo Rollemberg, localizado no Bairro Siqueira Campos, zona Oeste da capital. O Governo do Estado justifica que a Prefeitura de Aracaju já manifestou o interesse em assumir a gestão do imóvel, visando ampliar as potencialidades de uso do espaço para a população. Inaugurado em 1920, o Estádio tem relevante importância histórica para o Estado de Sergipe e para o Município de Aracaju.

Adolfo Rollemberg II

A mensagem lembra que, durante o centenário do Estádio, o governo do Estado realizou sua reforma e modernização, obra que contou com investimentos da ordem de R$ 482.954,09, com intervenções como o plantio de um novo gramado; reforma dos vestiários, bilheterias e banheiro para deficientes físicos; dentre outras. “Na busca pelo fortalecimento do regime de colaboração entre Estado e municípios, tanto no âmbito esportivo quanto na área educacional, o Governo fez tratativas com o município de Aracaju para que a gestão integral do estádio ficasse com a PMA. O objetivo é que o município promova atividades esportivas, coordene ações no estádio e cuide de sua conservação”, justificou o Poder Executivo.

Sergipe pela Infância I

Os deputados estaduais aprovaram, por unanimidade, o projeto de lei de autoria do Poder Executivo que cria o Programa Sergipe pela Infância (SPI) e autoriza o pagamento do CMAIS (Sergipe pela Infância). Na mensagem o governo justifica dizendo que busca sistematizar e articular as mais variadas políticas públicas que envolvem a infância, bem como estabelecer as diretrizes para a formulação e implementação de novos programas e projetos que envolvam a proteção dos direitos fundamentais da criança, além de buscar a autorização legislativa para criar uma nova modalidade do benefício de assistência.

Sergipe pela Infância II

“O Projeto de Lei institui o Comitê Intersetorial do Programa Sergipe pela Infância, com a finalidade de acompanhar, supervisionar e assegurar a articulação das ações voltadas à proteção e à promoção dos direitos da criança. As Secretarias de Estado da Inclusão, Assistência Social, da Saúde, do Esporte, da Educação e Cultura continuarão promovendo e gerindo as políticas públicas de sua competência já existentes na legislação”, assegura o Poder Executivo.

Sergipe pela Infância III

O diferencial, segundo ele, é que haverá um agente central, focado em articular e potencializar os resultados dos projetos e programas voltados para a infância. O Governo explica que o Programa é focado em três eixos: Gestar e Nascer; Brincar e Crescer; e Desenvolver e Aprender.

Parcela de R$ 130

“O Programa Cartão Mais Inclusão é um reforço adicional às ações de combate aos efeitos sociais e econômicos da pandemia da covid-19 no Estado de Sergipe, buscando alcançar aquelas famílias que não estão sendo contempladas por outras modalidades do CMAIS. O CMAIS Sergipe pela Infância busca atender a um público de até cinco mil famílias, com uma parcela mensal fixa de R$ 130”, explica o texto.

Mais benefícios

A mensagem governamental ainda assegura mais três parcelas de R$ 200 para mil das 5.000 famílias a título de apoio à gestante, a ser pago às mães que se encontrem em estado gravídico, e uma parcela anual de R$ 60 para incentivo e apoio à permanência das crianças da educação infantil, visando aquisição de material pedagógico e educativo para as crianças com idade entre 0 e 3 anos.

Orçamento I

Os deputados estaduais aprovaram, em segunda discussão, o projeto de Lei que dispõe sobre o Orçamento do Estado de Sergipe para o Exercício Financeiro de 2022, estimando a Receita e fixando a Despesa. A proposta continua em tramitação e deverá ser apreciada e votada até o início de janeiro, antes do recesso parlamentar.

Orçamento II

A previsão de Receita Total é de R$ 12.173.837.958,00, já deduzidos os valores das transferências constitucionais aos municípios e os recursos para a formação do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e Valorização dos Profissionais da Educação (FUNDEB), estimados em R$ 2,7 bilhões.

Receitas

O valor estimado para a Receita Total representa um acréscimo de 14,98% em comparação o valor estimado na Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2021 que foi de R$ 10.587.756.328,00. Já para a Receita Corrente Líquida (RCL) o Executivo prevê um montante de R$ 8.984.757.797, superior em 10,49% a LOA de 2021, que foi de R$ 8.131.420.115,00.

Despesas I

Já sobre as Despesas Correntes elas correspondem os dispêndios governamentais imprescindíveis à prestação dos serviços à sociedade, absorvendo cerca de 90% do total da arrecadação prevista para o exercício de 2022, representando um acréscimo da ordem de 11,34% em relação ao orçado em 2021.

Despesas II

O Poder Executivo ainda explica na mensagem que no rol das Despesas Correntes destaca-se o grupo Pessoal e Encargos Sociais, cujo valor estimado para 2022 é de R$ 7.362.162.586,00, o que representa cerca de 68,68% do total desses gastos, já incluídos inativos e pensionistas do Regime Próprio da Previdência e do Sistema de Proteção Social dos Militares estimados em R$ 2.871.152.028,00.

João Marcelo I

Foi aprovado, o Projeto de Lei de autoria do deputado João Marcelo que institui a “Campanha de Conscientização e Incentivo à Doação de Cabelos”, destinados à confecção de perucas para pessoas com alopecia (perda de cabelo) em decorrência de tratamento de câncer.

João Marcelo II

De acordo com a propositura, a campanha deverá ser realizada, anualmente, nos meses de outubro e novembro. “O objetivo do nosso PL é sensibilizar e estimular potenciais doadores de cabelos, mediante a realização de mutirões e disponibilização de postos de coleta, como também dar visibilidade ao trabalho realizado pelas instituições que confeccionam perucas destinadas a pessoas com alopecia decorrente de tratamento oncológico”, detalha João Marcelo.

João Marcelo III

Os cabelos arrecadados devem ser destinados à confecção gratuita de perucas para pessoas em condições de vulnerabilidade social, sendo proibida qualquer utilização comercial ou distribuição onerosa. O projeto prevê ainda a possibilidade do Poder Executivo pode instituir um Selo que identifique as pessoas jurídicas participantes da Campanha, a exemplo de salões de beleza, centros estéticos e lojas de cosméticos.

Responsabilidade social

“Fico feliz de ter mais um projeto aprovado na Alese. Ele traz em sua essência esta responsabilidade social, principalmente por estar relacionado a um público que carece de atenção pelo poder público, que são os pacientes com câncer. Vamos aguardar que a sanção por parte do governador do Estado e seguiremos acompanhando e cobrando que esta campanha seja efetivada. O nosso mandato segue atuando para garantir mais qualidade de vida para nossa gente”, destacou o parlamentar.

Luciano Pimentel I

Os parlamentares sergipanos aprovaram a indicação nº 690/2021, de autoria do deputado estadual Luciano Pimentel, em que ele solicita ao Governo de Sergipe a inclusão da cadeia produtiva do arroz, do município de Neópolis, no programa social “Mão Amiga”, que assegura a subsistência dos trabalhadores rurais nos períodos de entressafra.

Luciano Pimentel II

Segundo o parlamentar, Neópolis tem na cultura do arroz um dos maiores pilares produtivos da cidade, sendo a única região do estado que o produz de forma concentrada. De acordo com ele, esse fato motivou o vereador do município, José Antônio (Nito), a apresentar a demanda e pedir apoio para assegurar que os produtores neopolitanos também sejam beneficiados com esse programa.

 Goretti Reis I

Foi aprovado o Projeto de Lei (PL) de autoria da deputada estadual Goretti Reis (PSD), que declara a ‘Maniçoba’ prato culinário produzido na Cidade de Lagarto, como Patrimônio Cultural e Imaterial do Estado de Sergipe. O objetivo é reconhecer a importância cultural da Maniçoba, alimento típico da cidade de Lagarto.

 Goretti Reis II

O patrimônio cultural brasileiro é constituído por uma rica diversidade étnica e gastronômica, sendo a cozinha um dos pilares desse alicerce. Nela se encontram sabores, texturas e cheiros que remetem às memórias coletivas e individuais da nossa multifacetada sociedade. Dentre os variados ingredientes nela utilizados, destaque para a mandioca, tubérculo conhecido como mandioca, aipim e macaxeira é totalmente aproveitável.

 Goretti Reis III

“Nossa maniçoba é feita com a maniva, folha da mandioca que é fervida durante aproximadamente por sete dias e incorporada à alimentação da população do progressivo município de Lagarto. Uma deliciosa tradição é degustar a maniçoba nos finais de semana em momentos especiais entre parentes e amigos, que se reúnem em torno da mesa em que a iguaria é o prato principal. Reconhecer esta iguaria como Patrimônio Cultural e Imaterial do Estado de Sergipe transcende ao valor econômico, valoriza a prática da gastronomia e do consumo”, ressaltou Goretti.

Maria do Carmo I

A senadora Maria do Carmo Alves (DEM) considera que 2021, apesar de todas as dificuldades impostas pela Covid, foi um ano bastante produtivo. “Concluímos mais um ano de trabalho legislativo intenso e o Senado fecha o período com uma participação autônoma, de pleno exercício democrático e de grande importância nas tomadas de decisões que confrontaram as crises socioeconômica e sanitária do país”, resumiu a senadora sergipana.

Maria do Carmo II

Dentre as matérias aprovadas, Maria destacou algumas e dentre elas a que altera as regras da aposentadoria para permitir que os aposentados e pensionistas possam desaposentar e voltar ao mercado de trabalho. “Ela foi aprovada na Comissão de Assuntos Sociais e é de extrema importância, pois muitos aposentados não têm como se manter com o que ganham. Eles tinham renda extra para ajudar no orçamento familiar, mas por conta da pandemia e dos impedimentos relativos a idade e comorbidades, tiveram que suspender essas tarefas”, justificou.

Artesanato brasileiro

Outro Projeto apontado pela senadora é de sua autoria e certifica a qualidade e a origem do artesanato brasileiro, “valorizando a nossa arte e criando condições de melhoramento para os diversos artesãos que vivem da produção dessa técnica e que são os verdadeiros guardiões da cultura popular de cada região brasileira”. O PL estabelece critérios a exemplo da autenticidade, qualidade técnica e estético-formal, representatividade da cultura regional e adequação ambiental e social de seu processo de produção. Para ela, as novas regras previstas no programa de certificação facilitarão e ampliarão a comercialização dos produtos nos mercados nacional e internacional.

Maria Mendonça I

A Assembleia Legislativa aprovou o Projeto de Lei 176/2021 que cria, no Estado de Sergipe, uma campanha permanente de proteção aos recursos hídricos e incentivo à redução do consumo de água. A iniciativa, da deputada estadual Maria Mendonça (PSDB), tem como propósito mobilizar a população adulta para reduzir o consumo e proteger a água, assim como estabelecer fundamentos para a formação de consciência entre as crianças e adolescentes.

Maria Mendonça II

“O nosso objetivo é projetar para o futuro uma geração consciente e com valores e comportamentos mais respeitosos, não só no que diz respeito à utilização da água, mas para com os demais recursos naturais, tão importantes para a nossa sobrevivência”, salientou Maria.  Ela acrescentou que a ideia é, também, instruir o trabalhador ou produtor agrícola para reduzir o uso de produtos tóxicos com o objetivo de proteger o solo, os lençóis e aquíferos subterrâneos, os mananciais e cursos d’água em geral.

Maria Mendonça III

Aliado a isso, ressaltou a parlamentar, estimula-se a substituição dos defensivos à base de produtos tóxicos por outros com toxicidade de menor potencial de agressão aos ecossistemas ou por sistemas defensivos atóxicos ou não agressores.  “Essa mobilização, que deverá ocorrer de forma continuada, também tem o intuito de estimular a população a reaproveitar a água. Cabe ao Estado, através dos seus órgãos específicos, prestar orientação e apoio técnico para que isso ocorra de forma assertiva e ambientalmente equilibrada”.

Zezinho Sobral I

Com o objetivo de garantir a segurança alimentar de crianças e jovens, além de fortalecer a agricultura familiar e a caprinocultura em Sergipe, a Assembleia Legislativa aprovou o Projeto de Lei 233/2021, de autoria do deputado Zezinho Sobral (Pode), que dispõe sobre a inclusão do leite de cabra e das carnes de caprino e de ovino na dieta alimentar dos alunos da rede pública estadual de ensino.

Zezinho Sobral II

“É muito importante inserir os produtos da caprinocultura na merenda escolar, especialmente o leite e os derivados. Isso agregará na oferta de alimento de qualidade para nossos alunos das escolas estaduais instaladas nos municípios. A caprinocultura sergipana tem se destacado por gerar renda e movimentar a economia do campo. É um projeto simples, de fácil aplicabilidade e não vai gerar despesa para o estado. Sempre defenderei a educação e a agricultura”, afirmou Zezinho Sobral.

 Leite de Cabra

O leite de cabra é uma alternativa importante, principalmente diante das adversidades climáticas, notadamente em estados da região nordeste, que sofrem com períodos de estiagem. Segundo especialistas, o produto é rico em cálcio e em proteínas, além de apresentar alto valor biológico, sendo um grande aliado da nutrição de crianças e adolescentes, fortalecendo a estrutura óssea. Dentre as propriedades do leite de cabra estão carboidratos, proteínas, vitamina A, vitamina B2, vitaminas C e D, cálcio, magnésio, fósforo, ferro, potássio, selênio, zinco e cobre.

Gustinho Ribeiro I

O deputado federal Gustinho Ribeiro (Solidariedade) anunciou que conseguiu a liberação de mais R$ 3 milhões para Lagarto através de uma parceria com a Companhia de Desenvolvimento do Vale do São Francisco – Codevasf. O parlamentar sergipano afirmou que o valor conseguido através da Codevasf será destinado para pavimentação de diversas ruas da cidade de Lagarto. Do valor total, R$ 1,5 milhão será destinado para a Sede do município e R$ 1,5 milhão para Zona Rural.

Gustinho Ribeiro II

“Através da parceria que firmamos com a Codevasf, conseguimos destinar mais R$ 3 milhões que levarão qualidade de vida para o povo de Lagarto. São investimentos importantes que nosso mandato continua trazendo para Sergipe”, afirmou Gustinho Ribeiro.

Alexandra Brito I

Quando você fecha os olhos consegue relembrar das coisas boas que viveu na sua infância? Essa é a proposta do livro “Fragmentos de Memórias” escrito pela jornalista Alexandra Brito. Elaborado durante o ano de 2020, em plena pandemia, ela rememora coisas que viveu quando tinha entre 3 e 4 anos de idade. “Muita gente me pergunta como consigo lembrar dessa época, já que era tão pequena. Por isso são fragmentos, coisas que me recordo e que, durante muitos anos, conversei com minha mãe”, explica.

Alexandra Brito II

De acordo com a jornalista, a ideia do escrever sobre a infância surgiu após a partida da mãe, Dona Márcia, deste plano terreno, logo após a pandemia da Covid-19 assolar o mundo e ser decretado o isolamento social. “Na época que começou, minha mãe estava internada e partiu um mês e três dias após dar entrada no hospital. Sempre fui muito apegada a ela e sei que o corpo dela descansou”.

Alexandra Brito III

O livro acabou sendo uma homenagem à mãe, conforme relata a escritora, que quis retratar os momentos bons vividos ao lado da mãe, no 18 do Forte, um bairro humilde de Aracaju. “Minha mãe sempre preservou muito as amizades e lá ela tinha vários amigos e a garotada sempre se juntava para brincar na rua, que era de piçarra. A Nossa Senhora da Glória começa de um lado da Avenida Visconde de Maracaju e vai até o Alto do Morro da TV. A gente morava bem ao lado do Mercado Municipal do bairro, que continua lá”.

Resgate das memórias

A intenção, reforça Alexandra Brito, é que cada leitor faça o resgate de suas memórias afetivas. “É um livro para os adultos rememorarem a infância e os mais novos conhecerem um pouco das brincadeiras antigas. Tive uma infância simples, numa época em que podíamos brincar na rua, correr, sem medo de violência”.

Lançamento
O livro “Fragmentos de Memórias”, impresso pela Edise, conta com fotos do repórter fotográfico Gilton Rosas e charge de Álvaro Santos. O lançamento acontecerá dia 11 de janeiro de 2022, às 17h, no Biblioteca Pública Ephiphânio Dória. O lançamento tem o apoio do Colégio Amadeus, da Âncora Comunicação, da Sociedade de Anestesiologia de Sergipe (Saese) e da Cooperativas dos Anestesiologistas do Estado de Sergipe (Coopanest-SE).
Aumento das vendas

O período natalino abriu muitas oportunidades no setor alimentício em Aracaju, no mercado informal não foi diferente. A confeiteira e designer de platter Ionara Virgínia comemora o aumento de 60% nas vendas em relação ao ano passado. No natal ela trabalha com tábuas de frios e cardápio para ceia natalina.

Ionara Virgínia

A ideia surgiu a partir do momento que a empreendedora percebeu o vasto mercado composto pelas pessoas que trabalham o dia todo e não tem tempo para preparar algo. “Eu trabalho com tábuas em madeira rústica, platters e bombonieres de vidro e todo esse material fica com o cliente que pode ser utilizado em outra ocasião”, explica.

Foi positivo

Apesar da pandemia, Ionara afirma que o ano foi positivo para as vendas. “Graças a Deus foi um ano muito produtivo e com muitos eventos, como mesa posta. Foi um ano bem difícil para todos, mas estou muito feliz em poder ter levado um pouco de sabor e sofisticação para a mesa de todos os meus clientes. Tudo feito com muito amor”, relata.

CRÍTICAS E SUGESTÕES

[email protected] e [email protected]

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Famílias da zona rural recebem subsídio pra comprar imóveis, Em Sergipe, foram 8 contratos que somaram R$ 627 mil
Secretaria de Estado da Saúde recebe 48.550 doses de vacinas contra a Covid-19 nesta quinta
Aracaju recebe 21 mil testes rápidos enviados pelo Ministério da Saúde a pedido da FNP
Campanha de combate à Hanseníase oferece exames à população no Hospital Universitário