Aracaju, 16 de janeiro de 2022

Perícia alerta para cuidados envolvendo bebidas alcoólicas e substâncias sintéticas. Descuido pode tornar a pessoa vítima

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Com a chegada do período de festas, o Instituto de Pesquisas e Análises Forenses (IAPF) faz o alerta para evitar ser vítima de práticas criminosas a partir da ingestão de bebidas alcoólicas adulteradas com outras substâncias como medicamentos e entorpecentes. Dentre os alertas, o IAPF orienta que não sejam aceitas bebidas de pessoas desconhecidas e que todos estejam sempre atentos aos copos que utilizam.

O perito criminal Nailson Correia relembrou que a perícia vem constantemente identificando substâncias nocivas a partir de amostras encaminhadas pelo Instituto Médico Legal (IML). “Ano após ano, tem aumentado o número de casos de pessoas que ingeriram substâncias que causaram alterações no sistema nervoso”, rememorou.

As substâncias ingeridas por vontade própria também podem causar danos à saúde, conforme relatou o perito criminal. “Verificamos também a adição de medicamentos e de drogas sintéticas que causam alterações metabólicas gerando uma energia fora do comum que, aparentemente, parece ser interessante, mas, após o efeito da droga, vêm os sintomas colaterais”, reiterou.

Conforme o Nailson Correia, as festas são um ambiente propício para a ação de criminosos que adulteram as bebidas para golpes como o ‘boa noite cinderela’. “Verificamos que, geralmente, nas áreas próximas às rodovias estaduais e federais, nos materiais encaminhados para o IAPF está a mistura de álcool com o clobenzorex, a sildenafila ou a tadalafila. É o famoso ‘boa noite cinderela’”, revelou.

“No caso do ‘boa noite cinderela’, primeiramente quando se mistura a bebida com o princípio ativo, a pessoa acaba perdendo os sentidos. Quando os recobra, vem os efeitos da dor de cabeça, mal-estar, ânsia de vômito, dores na região dos rins e fígados e dores estomacais”, acrescentou o perito criminal detalhando os sintomas que indicam a ingestão de substâncias utilizadas no golpe.

Diante disso, Nailson Correia alertou sobre a necessidade de estar sempre atento às bebidas que consome e às pessoas que estão ao redor no mesmo ambiente. “O ideal é que a pessoa que está consumindo a bebida tenha todo o cuidado, como cobrir a abertura do copo com as mãos, ficar sempre atento a quem está ao redor e não receber bebidas de pessoas estranhas”, evidenciou.

O perito criminal finaliza mencionando que os vaporizadores, que são cigarros eletrônicos, também causam danos à saúde. “O uso dos vaporizadores que são vendidos para as pessoas com a ideia de que são apenas a essência, os sabores, contém substâncias ilícitas, como a maconha, e há também a nicotina em maior concentração, o que vai acabar gerando o vício”, pontuou.

Fonte e foto SSP

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

FSF realiza testagem em clubes e seis atletas do Maruinense e cinco do Falcon testam positivo para Covid-19
Sergipe vence Falcon na abertura do Sergipão X1bet
Projeto da Elese estimula abertura de escolas do legislativo no interior
Covid-19: Brasil tem 22,9 milhões de casos e 620,9 mil mortes