Aracaju, 22 de janeiro de 2022

A Justiça falha quando tarda

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Por Adiberto de Souza *

Embora a Justiça Eleitoral de Sergipe tenha cassado os mandatos dos deputados federais Bosco Costa (PL) e Valdevan Noventa (PL), os dois permanecem exercendo os mandatos tranquilamente, podendo até concluí-los antes que o Tribunal Superior Eleitoral proclame o veredito final sobre os processos. Não se quer aqui culpar o Judiciário pela demora em decidir se Bosco e Valdevan devem ou não ser afastados da vida pública, pois se está cumprindo regiamente o que manda a Lei, dentro dos prazos legais. A questão é que fica difícil convencer o cidadão comum sobre essa demora em cassar ou absolver os réus em definitivo. Plagiando o advogado fluminense Sérgio Tostes, “a esperança do cidadão é que as decisões da Justiça sejam tomadas com a rapidez que os tempos modernos exigem”. Aliás, é também deste causídico a seguinte ressalva: “Uma conhecida máxima – a Justiça tarda, mas não falha – caiu em desuso. Nos dias de hoje, a Justiça que tarda é uma Justiça que falha”. Misericórdia!

Reajuste proibido

O governo de Sergipe conseguiu uma liminar proibindo a Petrobras de reajustar o preço do gás natural fornecido à Sergas. Na decisão, a juíza Érica Magri Milani determina que a petrolífera mantenha o fornecimento do produto nos exatos termos do contrato atual e vigente pelo prazo de seis meses, a contar a partir do próximo dia 1º. No pedido de liminar, o governo alegou o risco de interrupção da prestação do serviço de fornecimento de gás com o término do contrato, previsto para o próximo dia 31. Marminino!

Trânsito maluco

Por que será que a SMTT de Aracaju não desenvolve uma campanha para educar motoristas e pedestres? Há quem diga, mas é maldade, que o órgão regulador do trânsito da capital não investe em educação para faturar mais com as multas. Bem que a SMTT poderia usar uma pequena parte da fortuna gerada pelas infrações dos motoristas, em campanhas educativas. Ficaria com menos dinheiro em caixa, porém contribuiria para reduzir os acidentes na capital, muitos deles fatais. Danôsse!

Apoio ao PT

O ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (sem partido) manteve contato com o ex-senador Eduardo Amorim e lhe pediu apoio para o senador Rogério Carvalho, pré-candidato do PT ao governo de Sergipe. O tucano confirmou o contato, mas disse que ainda não conversou com o petista sobre o apelo feito pelo ex-governador. Segundo Amorim, nada o impede de atender ao político paulista, “mas tem que avaliar”. Ex-tucano, Alckmin é cotado para ser candidato a vice-presidente na chapa encabeçada por Lula da Silva (PT). Esta informação é do blog Primeira Mão.

Boa de pedal

Sempre que pode, a deputada estadual Goretti Reis (PSD) sobe numa bicicleta e pedala dezenas de quilômetros. Apaixonada pelo ciclismo, a parlamentar costuma ir de um município a outro em sua potente baik. A última “excursão” da deputada foi entre os municípios de Itaporanga e Itabaiana, tendo como destino a Cachoeira dos Pilões, no povoado Ribeira, num percurso de 50 quilômetros. Aff Maria!

Magrela útil

A maioria dos ciclistas usa a bicicleta como transporte, para ir ao trabalho (88,1%), e pedala cinco dias ou mais por semana (71,6%). Os números constam da pesquisa Perfil do Ciclista Brasileiro. O estudo revelou que 61,8% dos entrevistados usam a bicicleta como meio de transporte há menos de 5 anos. A maior parte (56,2%) leva entre 10 e 30 minutos em suas viagens, tem entre 25 e 34 anos de idade (34,3%) e renda entre um e dois salários mínimos (30%). E viva o “camelo”!

Reduto de marajás

Não é exagero dizer que o Tribunal de Contas de Sergipe é um feliz reduto de marajás. Os salários dos conselheiros equiparam-se ao teto (R$ 39.293,32), sem contar outras vantagens financeiras inerentes ao cargo. Pior é que estes bem pagos senhores vivem criticando os prefeitos sergipanos que embolsam R$ 30 mil mensais. É como afirmar: “Faça o que digo, não o que faço”. Crendeuspai!

Gravidez interrompida

Vinte por cento das brasileiras terão feito ao menos um aborto ilegal ao final da vida reprodutiva, ou seja, uma em cada cinco mulheres aos 40 anos terá abortado ao menos uma vez. Segundo pesquisa da Universidade de Brasília, a mulher que aborta tem entre 18 e 39 anos, é alfabetizada e de área urbana. A maior parte (48%) completou o ensino fundamental e 26% possuíam ensino superior. Do total, 67% já tinham filhos. E mais: 56% dos abortos foram praticados por católicas e 25% por protestantes ou evangélicas. Só Jesus na causa!

Afiando as unhas

Faltando mais de nove meses para as eleições de 2022, muitos aliados do governador Belivaldo Chagas (PSD) começaram a fustigar os próprios correligionários visando desgastá-los politicamente. Agora mesmo, o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Luciano Bispo (MDB), fez reprimendas públicas a um aliado que, segundo ele, tentou lança-lo contra o governador. As escaramuças entre os governistas lembram gatos afiando as unhas para defender sua parte quando chegar a hora de a onça beber água. Home vôte!

Juntos e separados

Afirmar hoje quem estará com quem nas eleições de 2022 é mero exercício de futurologia. Unido agora, o grupo liderado pelo governador Belivaldo Chagas (PSD) poderá se desfazer quando da montagem da chapa majoritária. O mesmo ocorrerá na oposição se os seus principais líderes não chegarem a um consenso sobre os candidatos ao governo e ao Senado. Como se vê, até as convenções de 2022 tudo pode acontecer em termos de alianças políticas, inclusive, nadica de nada. Cruzes!

Recorte de jornal

 

 

 

 

 

 

Publicado no jornal propriaense A Defesa, em 22 de dezembro de 1945.

É editor do Portal Destaquenotícias

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Escola de Artes Valdice Teles abre inscrições para 685 vagas em diversos cursos
Defesa Civil segue monitorando municípios sergipanos margeados pelo Rio São Francisco
Provas do Enem 2022 serão aplicadas no mês de novembro; confira todo cronograma
Prefeitura abre novo edital para eleição do Conselho da Previdência