Aracaju, 21 de janeiro de 2022

CUT: 0% de reajuste em 2021 e 3% em 2022 revolta servidores do TCE, MP e ALESE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

No mesmo dia, foi aprovada Gratificação de Acervo de 30% sobre os subsídios dos promotores, aumentando o abismo salarial

Com zero porcento de revisão inflacionária em 2021, os servidores públicos do Tribunal de Contas (TCE), do Ministério Público (MP) e da Assembleia Legislativa de Sergipe (ALESE) acumulam perdas salariais desde 2020. Nesta terça-feira, dia 4 de janeiro, a maioria dos deputados estaduais aprovou a revisão parcial de 3%, para ser pago a esses trabalhadores a partir de janeiro de 2022, mas a medida não cobre sequer a inflação acumulada.

De forma desigual, para os promotores de justiça, também do MPSE, foi aprovada uma “gratificação de acervo”, no valor de 30% dos seus subsídios que já ultrapassam R$ 30 mil. O dirigente do Sindicato dos Trabalhadores do Ministério Público de Sergipe (SINDSEMP), Izac Silva, comenta que esta nova gratificação dos promotores é maior que o salário base dos servidores do MP. “A desigualdade na remuneração salarial entre servidores e promotores, no MP, aumenta a cada dia, a partir de medidas como esta que acabamos de presenciar. Aos servidores 3% e aos promotores gratificação de 30% sobre os vencimentos. É um abismo salarial! Desde 2020 acumulamos perdas salariais. De acordo com o Dieese, no ano passado, já totalizava mais de 15% de perdas, por isso estes 3% não chegam nem a repor as perdas”.

Segundo o dirigente sindical do SINDSEMP, a desculpa para não conceder a revisão inflacionária no ano passado foi a Lei Complementar 173 (“Lei da Granada”, de autoria do governo Bolsonaro). No entanto, o movimento sindical defendeu, exaustivamente, que a lei proibia aumento, mas não proibia a reposição das perdas inflacionárias assegurada na Constituição Federal. Prova disso que o Tribunal de Justiça de Sergipe – responsável pela aplicação das leis – deu exemplo, e os servidores, organizados no SINDIJUS, tiveram o direito à revisão inflacionária assegurado em meados de 2021, o que foi seguido durante o ano em outras categorias no serviço público municipal de Sergipe.

“Vamos continuar na luta pela recomposição das perdas. É preciso um novo reajuste em 2022. Os trabalhadores não podem acumular o prejuízo que resulta em uma drástica redução do poder de compra”, informou o dirigente do SINDSEMP.

Já o presidente do Sindicato dos Servidores do Tribunal de Contas de Sergipe (SINDICONTAS), Anselmo Costa Santos, revelou que a revisão salarial de 2021 foi prometida aos servidores do TCE e também não foi cumprida.

“O sentimento de frustração entre os servidores do TCE é geral. Nos foi prometida a revisão de 3% retroativa a janeiro de 2021, criando expectativa na categoria. Na realidade, amargamos 0% em 2021, além do congelamento de avanços nos triênios. Se 2021 foi um ano de perdas, a reposição aprovada agora em janeiro, de 3%, não consegue repor as perdas. A categoria precisa se unir em 2022 e lutar para mudar esta realidade de desvalorização e congelamento”, explicou Anselmo.

Presidente do Sindicato dos Servidores da Assembleia Legislativa de Sergipe (SINDALESE), Antônio Geraldo da Silva, enfatizou que foram dois anos seguidos com revisão zero: 2020 e 2021.

“Ficamos tristes, porque são dois anos sem reajuste e com a inflação comendo o salário dos servidores. É triste ver a Assembleia Legislativa tendo pouco zelo com os servidores. O reajuste de 3% nos tíquetes de saúde não cobre o reajuste de 10% no valor da tarifa dos planos de saúde. Também tivemos 5% de reposição no tíquete de alimentação, mas o preço dos alimentos está um absurdo. Por isso em 2022 vamos continuar dialogando com o presidente da Alese para buscar formas de diminuir as perdas dos servidores”, informou o dirigente sindical.

O presidente da Central Única dos Trabalhadores em Sergipe (CUT/SE), Roberto Silva, criticou o arrocho salarial imposto aos servidores do TCE, MP e Alese.

“A desigualdade no Brasil é construída e alimentada pela vontade política daqueles que não compreendem a importância de valorizar os trabalhadores. Além de negar um direito constitucional da revisão inflacionária, esta medida prejudica a economia do estado, que depende, em grande parte, do salário dos servidores públicos. A CUT estará ao lado dos sindicatos e dos servidores que estão sendo prejudicados, na luta pelo cumprimento da recomposição total dos salários”, declarou Roberto Silva.

Foto assessoria

Por Iracema Corso

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Flash Político: Mitidieri disputa Governo e admite que perto da decisão haja inquietação
Confira programação e horário de testagem nas UBSs e bairros de Aracaju
E-commerce do Supertem se consolida como líder no mercado sergipano
Gestores sergipanos têm até 30 de janeiro para enviar informações ao TCE