Aracaju, 27 de janeiro de 2022

Piscina e mar podem aumentar crises alérgicas no verão?

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

A doutora Maria Fernanda Malaman explica que sim, mas é possível realizá-las com cuidado e tratar as crises com a ajuda de um médico.

O aumento das temperaturas e o período de férias escolares levam muitas famílias a procurarem casas de veraneio que ficaram fechadas por um longo tempo, muitas vezes sem a limpeza e manutenção adequadas nos ar-condicionados e ventiladores, e o contato com ácaros aumenta naturalmente. Não somente por esse fator, mas as doenças respiratórias como rinite e asma que são mais comuns durante o inverno, também se manifestam em pleno verão.

Aproveitar as praias e piscinas por longo tempo durante as férias também podem desencadear reações alérgicas e o surgimento de sintomas como obstrução nasal, dor de cabeça, coriza e, inclusive, dermatites.

Quem confirma a influência das atividades de verão sobre as crises alérgicas é a coordenadora adjunta do curso de Medicina da Universidade Tiradentes (Unit), a professora doutora Maria Fernanda Malaman.

“Quem tem rinite alérgica deve ter cuidado ao nadar em uma piscina que teve a água tratada com cloro. Apesar do cloro não ser um alérgeno, ele libera gases que irritam o nariz, os olhos e a pele quando está em contato com as impurezas da água”, alerta.

Segundo Malaman, o calor e o suor também estão relacionados às irritações na pele, a exemplo da dermatite atópica. Nesse tipo de doença, que geralmente se apresenta ainda durante a infância, na forma de lesões nas dobras dos braços e na parte de trás dos joelhos, estes dois fatores provocam coceira e inflamação acentuadas.

Como curtir o verão com mais saúde?

Para pessoas que sofrem com esse problema é necessário preparar a pele antes de entrar na piscina ou no mar. Após realizar atividades que ocasionam o aquecimento do corpo e sudorese, também é importante utilizar uma toalha para retirar o excesso de suor, cloro ou sal, e banhar-se assim que possível.

“Antes de entrar na piscina ou no mar, deve-se hidratar profundamente a pele com hidratantes específicos para criar uma película protetora na pele. Também deve ser aplicado um protetor solar adequado para a pele dos atópicos, e reaplicá-lo a cada três horas ou a cada vez que sair da água. Além disso, sempre após praticar essas atividades, é aconselhável um banho para tirar o suor, com sabonetes adequados e aplicação de hidratantes específicos logo após o banho”, orienta a professora doutora de Medicina da Unit, Maria Fernanda Malaman. .

Mesmo com todo o protocolo para evitar crises alérgicas, ainda é possível que elas aconteçam. No entanto, a realização de atividades físicas e de lazer não são proibidas para ninguém.

“O segredo para evitar crises e ter uma vida totalmente normal é realizar um tratamento preventivo adequado, seguir as orientações de seu médico e aproveitar a vida como deve ser, em qualquer idade. O tratamento deverá ser sempre individualizado, com medicamentos adequados para cada idade e gravidade da doença, evitando sempre os efeitos colaterais”, conclui Malaman.

Fonte e foto assessoria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Famílias da zona rural recebem subsídio pra comprar imóveis, Em Sergipe, foram 8 contratos que somaram R$ 627 mil
Secretaria de Estado da Saúde recebe 48.550 doses de vacinas contra a Covid-19 nesta quinta
Aracaju recebe 21 mil testes rápidos enviados pelo Ministério da Saúde a pedido da FNP
Campanha de combate à Hanseníase oferece exames à população no Hospital Universitário