Aracaju, 18 de agosto de 2022

Ainda sobre o voto de Rogério

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Diógenes Brayner[email protected]

O voto petista solitário do senador Rogério Carvalho no orçamento secreto ainda repercute. Soou mal em toda legenda, inclusive entre membros da direção nacional. As redes sociais foram duras com ele, porque havia determinação do partido para que a bancada no Senado votasse contra. Rogério não obedeceu e ainda há descontentamento na sigla, inclusive em Sergipe. Evidente que o PT Nacional fez um auê em torno da votação do senador sergipano, pré-candidato a governador pelo partido no Estado, quando essas emendas exclusivas graciosas a parlamentares existem há décadas e – não se pode dizer todos – mas a grande maioria de quem passou por Senado e Câmara já as receberam.

São elas que fazem os parlamentares distribuírem recursos do orçamento em seus redutos eleitorais, para calçamento de ruas usando paralelepípedos, comprais de tratores e patróis, construção de escolas municipais e outros penduricalhos que podem chamar a atenção dos seus eleitores, É praticamente comum essas inaugurações acontecerem, embora, como denunciou um parlamentar do Podemos, haja vantagens nisso, sem que nada fosse comprovado. Sem querer fazer a defesa de quem votou pelo orçamento secreto, mas essa prática, sem a rotulação que está se dando nesse momento, é muito conhecida e até corriqueira na vida parlamentar, embora não devesse existir.

Surpreendentemente ontem, através de conversa informal por telefone, um petista de raiz e importante para o partido admitiu que Rogério tivesse “pisado na bola” ao contrariar as orientações da sigla, acrescentando que “não havia necessidade para isso”. Semana passada, Rogério participou de Encontro do Diretório Estadual do PSB e não expôs qualquer preocupação. Inclusive fortaleceu sua pré-candidatura ao Governo, deixando praticamente como fechada uma composição com a sigla, em que também inclui o PCdoB e o Psol em uma federação. Mesmo assim, a fonte informou que de 16 a 18 deste mês haverá reunião da Direção Nacional e a votação de Rogério, que contrariou o partido, estará em pauta.

Entretanto, foi desmentida informação que circulou na mídia – inclusive nesta coluna – de que haveria a possibilidade do PT retornar às bases do Governo, de onde saiu para ser oposição e ter candidatura própria, apoiar o nome da base aliada e indicar a vice-governadora Eliane Aquino ao Senado. A própria Eliane disse que isso não aconteceu e os bastidores políticos abafaram esse assunto, que terminou sendo “sepultado”. Mas, pode-se adiantar, com certeza, que conversas houveram… E demoradas.

Unidade mantida

Os pré-candidatos a governador da base aliada estão conscientes de que precisam estar unidos e manter a aliança firme ao que for indicado para disputar o mandato.

*** Todos concordam que o governador Belivaldo Chagas (PSD) é quem deve dar o chute inicial e manter sob sua responsabilidade a escolha final.

*** O bloco está unido em torno do governador e a expectativa é que fará o sucessor em 2022.

Candidatas ao Senado

Três candidatas mulheres ao Senado. Praticamente é esse o quadro do momento e o que se vê pela primeira vez nas disputas majoritária estaduais.

*** A vereadora Emília Corrêa (Patriotas), a delegada Danielle Garcia (Podemos) e a vice-governadora Eliane Aquino (PT) são os três nomes em evidência que desejam tentar o Senado.

*** Eliane Aquino, por exemplo, acha que a vaga da senadora Maria do Carmo (DEM), que não disputa mais a reeleição, deve ser ocupada por outra mulher.

Preferência do Patriotas

O presidente do Patriotas em Sergipe, Uezer Marquês, disse ontem que membros do seu partido tinham interesse por Valmir de Francisquinho (PL) para governador em 2022.

*** Mas, como Valmir demonstra que não será candidato, os nomes de preferência do Patriotas são deputado Fábio Mitidieri (PSD) ou Ulices Andrade.

*** Não há nenhuma decisão sobre isso, porque o partido pretende lançar uma chapa parlamentar – estadual e federal – e Emília Corrêa ao Senado. Vai decidir isso em reunião, dia 20.

Cidadania em 2022

O senador Alessandro Vieira (Cidadania) disse ontem que o seu partido não tem expectativa de definir candidaturas este ano.

*** Alessandro se inclui na terceira via a presidente da República e cuida disso em Brasília. Caso não o seja, pode ser o nome a governador de Sergipe pelo partido.

Jackson recluso

O ex-governador Jackson Barreto (MDB) continua em um silêncio que incomoda. Não está tratando sobre política e se mantém mergulhado já há algum tempo.

*** Jackson não tem ido a reuniões, não trata sobre candidaturas, embora o MDB o veja como um nome forte para o Senado.

*** Semana passada JB participou do casamento de uma sobrinha, mas em nenhum momento tratou sobre eleições municipais.

Valdevan tranquilo

O deputado federal Valdevan Noventa (PL) recebeu o resultado do processo de sua cassação tranquilo e seus advogados já estão preparados para tentar reverter o quadro no TSE.

Noventa não será candidato à reeleição e vai buscar vaga no Senado Federal, embora isso dependa do seu partido e de composições.

*** Valdevan tem bom entendimento com a direção nacional do PL e conversa muito com o presidente Valdemar da Costa Neto.

Rogério e Márcio

A informação é de um petista festivo: Márcio Macedo não está bem integrado à pré-campanha de Rogério Carvalho (PT) ao Governo.

*** Márcio está viajando pelo Estado para tratar sobre a campanha de Lula a presidente e pode se manter na coordenação.

*** Circulou informação de que Eliane Aquino também estaria afastada do movimento de campanha de Rogério, mas foi desmentida.

Sobre nova chapa

De qualquer forma, a oposição trabalha composições para a formação de chapa majoritária e o fato de Bolsonaro filiar-se ao PL zera a possibilidade de aliança com o PT em Sergipe.

*** Com isso, ontem surgiu à possibilidade de formação de uma chapa de oposição com Rogério ao Governo, ex-senador Valadares a vice e Eliane Aquino ao Senado.

Por que não Luciano?

O deputado estadual Capitão Samuel pergunta: “por que os institutos de pesquisa de Sergipe não colocam o nome de Luciano Bispo para avaliação?”

*** E estranha: “sempre estão colocando o de Valmir de Francisquinho”.

*** E sugere: “Acho que seria justo, com o povo de Itabaiana e do Estado, colocar os dois nomes. Democracia é deixar o povo escolher”.

Estadual ou federal

O ex-deputado Adelson Barreto (PSD) não para. Diariamente percorre cidades do interior e bairros da capital conversando sobre sua candidatura proporcional no próximo ano.

*** Adelson sempre foi um dos nomes mais votados nas eleições que disputou, mas agora vai depender do partido para ser candidato a deputado estadual ou federal.

Apagão político

O ex-deputado Mendonça Prado disse que a quantidade de nomes apresentados como presidenciáveis decepciona a sociedade em função da ausência de projetos.

*** Para ele, os debates pré-eleitorais revelam um vazio de ideias e compelem o eleitor a avaliar discursos inócuos. O país vive uma espécie de apagão político.

Política e profissão

O ex-ministro Carlos Ayres Britto, do STF,  inclui em suas frases: “Esta é a mais necessária repetição, além de constitucional e educativa: política não é profissão, política não é profissão, política não é profissão”.

*** E conclui: “Quem faz da política profissão, topa tudo por reeleição”.

Cabeça do Cachorro

O senador Rogério Carvalho (PT) diz que o general Heleno, braço direito do Bolsonaro, autoriza seis dos sete projetos de mineração de ouro numa região conhecida como “Cabeça do Cachorro”.

*** – Essa é uma das áreas mais preservadas da Amazônia e que abriga 23 etnias indígenas. Definitivamente, querem destruir o Brasil!

Um giro pelas redes

Revista Fórum – “Virou um programa do tempo dos coronéis”, denuncia deputado sobre desmonte da política de cisternas.

Rui Costa – Sei da ansiedade dos empresários do carnaval por uma definição sobre a realização da festa. Mas não vou decidir de forma antecipada sobre isso.

Fernando Hora – Aos meus amigos juízes e desembargadores: vocês fazem “vaquinha” nos tribunais para poder tomar cafezinho?

Helena Sthephanowitz – Ex-deputado Robson Rodovalho, dono da igreja Sara Nossa Terra e aliado de Bolsonaro diz que evangélicos não apoiarão Lula em 2022.

Igor Gadelha – Líder da frente evangélica rejeita acordo com Lira sobre projeto que libera jogos de azar no Brasil.

Uol Notícias – Governo Bolsonaro está entregando o país pior do que recebeu, diz ex-ministro Sérgio Moro.

Ancelmo Góes – A escritora Karen Soarele é pedida em casamento em mesa de debate da Bienal do Livro.

O Antagonista – Sergio Mouro defendeu a necessidade da aprovação da PEC da prisão após condenação em segunda instância.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Leia também