Aracaju, 18 de julho de 2024
Search

Trabalho de Marcio Macedo e Wellington Dias consegue mais R$ 30 mi pra cozinhas solidárias

06601afb-bea9-419d-8f41-e562cf124b96

Ministros anunciaram recursos complementar e prorrogação de edital em São Paulo

“Uma política social que veio pra ficar” foi assim que o ministro sergipano Marcio Macedo definiu a política nacional que dá suporte às cozinhas solidárias. Macedo, ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República e Wellinton Dias, ministro do Desenvolvimento Social, trabalham em conjunto nessa política e anunciaram a prorrogação do edital 14/2024 até o dia 12 de julho. E mais um aporte de R$ 30 milhões para o programa. O objetivo é expandir as cozinhas solidárias em todo o país.

A Secretaria-Geral da Presidência da República fez a articulação com os movimentos sociais, atuou no desenho da política e na composição do grupo gestor das cozinhas solidárias.

O Programa Cozinha Solidária tem como objetivo implementar cozinhas comunitárias em áreas de alta vulnerabilidade social para garantir alimentação de qualidade a famílias com risco de insegurança alimentar. Com a prorrogação do edital, a rede de cozinhas solidárias deve passar de 400 em todas as regiões do país. O edital reforça o compromisso do governo federal com o fortalecimento da segurança alimentar e nutricional, ao oferecer suporte e fortalecer iniciativas que contribuem diretamente para a redução da fome e a promoção da inclusão social.

No anúncio dos recursos adicionais para o programa, Macedo afirmou que “essa política nacional é a maior novidade em termos de políticas sociais. Nasceu da escuta do povo. E a determinação do presidente Lula é ouvir nossa gente. Foi o que fizemos. E agora esse trabalho extraordinário de alimentar quem mais precisa é uma política nacional. Quando subimos a rampa com o presidente o Brasil tinha mais de 30 milhões de brasileiras e brasileiros passando fome. no primeiro ano, o governo federal tirou 24 milhões de pessoas dessa situação. E com programas como o das cozinhas solidárias, trabalhamos para tirar o Brasil do mapa da fome novamente.”

Fonte e foto assessoria

Leia também